REUTERS/Stringer
REUTERS/Stringer

Candidato pró-Rússia é reeleito presidente da República Checa

Com 99% das urnas apuradas, Milos Zeman contava com 51,55% dos votos, segundo a emissora pública do país

O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2018 | 18h19

PRAGA - O presidente da República Checa, Milos Zeman, um político pró-Rússia, foi reeleito neste sábado, 27, ao superar o candidato pró-Europa Jiri Drahos, após a apuração de 99% dos votos.

+ Extrema direita no poder

Zeman, de 73 anos, recebeu 51,55% dos votos, contra 48,44% para Drahos, de 68 anos, segundo a emissora pública checa.

+ Alerta populista

"Permitam-me agradecer a todos os eleitores que participaram destas eleições", afirmou Drahos em sua reação aos primeiros resultados.

Zeman agradeceu aos seus eleitores e aos de seus adversários “por terem ido às urnas”. “Há cinco anos, fui eleito com 2,7 milhões de eleitores. Agora, com 2,8 milhões”, afirmou. "Esta confiança dos cidadãos da República Checa me encherá de energia pelos próximos cinco anos. Estou convencido de que esta confiança não será decepcionada."

Citando o cenário atual político, Zeman deu a entender que seu aliado Andrej Babis poderia passar muito tempo dirigindo seu governo demissionado até que um novo seja formado. “Como fui eleito, não vejo nenhuma razão para pressionar Andrej Babis com um prazo muito curto para a nomeação de seu governo”, disse em uma entrevista coletiva.

Conhecido por sua postura contrária à imigração e aos confrontos com a União Europeia (UE), Zeman conta com amplo apoio na zona rural, enquanto Drahos é o preferido dos meios intelectuais e das áreas urbanas.

Mais de oito milhões de checos com direito a voto estavam convocados para ir às urnas escolher o presidente, que tem influência na hora de nomear o primeiro-ministro e juízes.

A participação neste segundo turno foi superior a 66%, quatro pontos porcentuais acima do primeiro turno, realizado há duas semanas.

Esta é a segunda eleição presidencial com voto universal direto na história da República Checa. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.