Candidatos começam busca por vice

McCain e Obama saem à procura do companheiro de chapa ideal para a eleição presidencial, em novembro

Patrícia Campos Mello, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

23 de maio de 2008 | 00h00

De olho nas eleições gerais, os dois candidatos à presidência, o republicano John McCain e o democrata Barack Obama, começaram a busca por um companheiro de chapa. McCain recebe neste fim de semana em sua fazenda no Arizona três possíveis vice-presidentes: Charlie Crist, governador da Flórida, Bobby Jindal, governador de Louisiana, e Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts, que disputou com McCain a indicação do partido.Crist é um governador popular cujo apoio garantiu a McCain a vitória na primária do Estado. A Flórida será palco de uma dura disputa entre democratas e republicanos em novembro e as duras posições de Crist contra a criminalidade poderiam render votos aos republicanos. O problema são os boatos de que ele é gay, o que acaba se tornando uma barreira para os eleitores conservadores.Jindal é um dos governadores mais jovens do país - tem 36 anos. Seus pais são indianos e apenas recentemente ele se converteu ao catolicismo. Jindal é bastante conservador - opõe-se a pesquisas com células-tronco e ao direito ao aborto. Analistas acreditam que ele traria juventude e diversidade étnica à chapa. Mas, segundo alguns, talvez juventude e diversidade demais. Romney foi o principal rival de McCain na corrida republicana. Empresário de sucesso, ele tem vasta experiência econômica, qualidade que seria bem-vinda na campanha, já que McCain confessou não entender muito de economia. Pesa contra Romney, porém, o fato de ele ser mórmon, o que já lhe causou problemas entre os evangélicos durante as primárias. Assessores de McCain negam que o fim de semana seja uma "cúpula vice-presidencial". Eles afirmam que haverá outros presentes, como os senadores Joe Lieberman e Lindsey Graham, muito próximos de McCain e também cotados para vice.Para muitos especialistas, porém, a data da reunião foi escolhida a dedo. Hoje, a campanha de McCain divulga o histórico médico do candidato, incluindo todos os registros sobre o melanoma que o senador retirou em 2000. Assessores de McCain esperam que o encontro com os candidatos a vice acabe também com as especulações sobre a saúde dele. "Não haverá surpresas" , disse McCain, de 71 anos, na semana passada. "Os médicos disseram que está tudo bem."OBAMAMembros graduados do Partido Democrata informaram ontem que Obama entrou em contato com o empresário Jim Johnson, que conduziu o processo de triagem de vice-presidentes para John Kerry, em 2004, e Walter Mondale, em 1984. Para Kerry, ele pesquisou cerca de 12 nomes - John Edwards foi o escolhido.O senador democrata está fazendo a seleção discretamente, já que a indicação não está formalmente decidida e a notícia poderia irritar os eleitores de sua rival, Hillary Clinton. Fontes da campanha, porém, afirmam que seus assessores já começaram a montar dossiês sobre cada possível vice-presidente. A intenção é que a vida deles seja totalmente bisbilhotada para que não surja nenhuma surpresa antes das eleições. Hillary é a preferida pela maioria dos eleitores democratas. No entanto, existe muita resistência ao nome dela na campanha de Obama. Além disso, segundo especialistas, a senadora é vista como uma figura polarizadora, que poderia tirar mais votos de Obama do que atrair eleitores para ele. Alguns outros nomes parecem mais viáveis, entre eles os dos senadores Jim Webb e Sam Nunn, que ajudariam Obama a reforçar as credenciais de segurança nacional, e dos governadores da Virgínia, Tim Kaine, e do Novo México, Bill Richardson. Também muito bem cotados estão o ex-senador Edwards, que daria à candidatura a chancela dos eleitores brancos de baixa renda, e duas governadoras: a do Arizona, Janet Napolitano, e a do Kansas, Kathleen Sebelius, que atrairiam o voto feminino. Obama, porém, não fala sobre o assunto. "Eu não contratei Jim Johnson. Ele é só um amigo", desconversou o senador. "Não vou falar sobre a escolha do vice-presidente porque ainda não ganhei a indicação."FRASEBarack ObamaPré-candidato democrata à presidência dos EUA"Eu não contratei (o empresário) Jim Johnson. Ele é só um amigo. Não vou falar sobre escolha do vice-presidente porque ainda não ganhei a indicação do partido"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.