AFP
AFP

Candidatos egípcios trocam farpas em debate histórico

Espectadores acompanharam dois participantes da primeira disputa pelo poder no país

TOM PERRY E DINA ZAYED, REUTERS

11 Maio 2012 | 10h51

CAIRO - Os candidatos presidenciais egípcios Amr Moussa e Abdel Moneim Abol Fotouh trocaram farpas sobre seu passado durante um histórico debate na quinta-feira, 11, o que seria impensável antes da rebelião que derrubou o regime de Hosni Mubarak há 15 meses.

Espectadores de todo o mundo árabe assistiram ao debate entre dois dos participantes daquela que será a primeira disputa real pelo poder na história do país. A votação por etapas começa dentro de duas semanas, culminando a transição do atual regime militar para um governo civil.

Moussa, veterano diplomata e ex-chanceler de Mubarak, e Abol Fotouh, político islâmico que esteve preso no regime anterior, despontam como os favoritos na eleição.

Em mais de duas horas do duelo transmitido por duas redes privadas de TV, os dois candidatos -ambos de óculos e terno- procuraram constranger-se mutuamente com perguntas sobre a sharia (lei islâmica) e Israel, e acusaram-se repetidamente de distorcer os fatos.

Abol Fotouh, 60 anos, ex-integrante da Irmandade Muçulmana, enfatizou a ligação de Moussa com um regime que, segundo ele, corrompeu o Egito. "Há uma regra que diz que quem criou o problema não pode resolvê-lo", disse.

Moussa, que era dirigente da Liga Árabe na época da rebelião contra Mubarak, defendeu sua atuação como chanceler, e lembrou que deixou o cargo em 2001. "“O regime que caiu, caiu com Moussa fora dele", disse o político de 75 anos. "Eu digo: o sr. também ficou em silêncio. O sr. costumava defender as posições da Irmandade Islâmica, e não os interesses egípcios."

Eles trataram também de temas como tributação, reforma da polícia, educação, saúde pública e o papel das poderosas Forças Armadas. Ambos disseram que os militares devem ficar fora da política.

O primeiro turno da eleição egípcia, com 13 candidatos, será nos dias 23 e 24 de maio. O segundo turno será em junho.

Outros candidatos incluem Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana; Ahmed Shafiq, que foi premiê de Mubarak; e Hamdeen Sabahy, de esquerda. Os organizadores do debate disseram que só convidaram Abol Fotouh e Moussa, porque eles estão à frente nas pesquisas.

Abol Fotouh tenta atrair eleitores islâmicos moderados e radicais, além de centristas e alguns liberais de mentalidade reformista. Moussa agrada ao eleitorado que quer alguém experiente, e que teme a consolidação da influência islâmica na política.

Ambos disputam os muitos eleitores indecisos, que podem ser decisivos.

Nos 90 minutos que antecederam ao debate, os canais ressaltaram sua importância histórica mostrando imagens de arquivo do primeiro debate presidencial na história mundial -em 1960, entre John Kennedy e Richard Nixon, nos EUA.

 

Mais conteúdo sobre:
debate eleições no Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.