Candidatos excêntricos apimentam disputa no Texas

Um cantor judeu de música country que escreve romances policiais e uma ex-prefeita que cultiva a imagem de vovó durona apimentaram a disputa para governador do Estado do Texas - cargo que chegou a ser ocupado pelo presidente George W. Bush. O cantor é Kinky Friedman, que vem lançando álbuns desde os anos 70 e que, por causa do humor e sarcasmo presente em músicas como "They Ain´t Making Jews like Jesus Anymore" ("Não se Fazem mais Judeus como Jesus") ou "Ride ´Em Jewboy" (que fala do holocausto), é chamado nos EUA de o ´Frank Zappa da música country´.Sempre usando chapéu de caubói e com charuto cubano nas mãos, Friedman é um candidato independente que, sempre ao ser perguntado pelas razões que o levaram a disputar o governo do Texas, responde: "E porque não?" "Músicos podem governar este Estado melhor do que políticos", diz ele, que tem admiradores no país inteiro e que contou com o apoio, na campanha, de amigos músicos como Willie Nelson, Lyle Lovett e as Dixie Chicks. Friedman modelou sua campanha na do ex-astro de luta livre Jesse Ventura, que foi eleito governador do Estado de Minesota há oito anos e que também apóia a campanha do cantor. Ele se descreve como "escritor de ficção que fala a verdade" e disse que resolveu entrar na política inspirado no sucesso do ator Arnold Schwarzenegger na Califórnia.Sua plataforma política tem dez promessas, entre elas a de tirar viciados em drogas das prisões e colocá-los em centros de tratamento e combater a preocupação exagerada com o politicamente correto, que estaria, segundo o candidato, acabando com a liberdade de expressão no Texas.Algumas declarações suas, entretanto, causaram duras críticas, como quando chamou os sobreviventes do furacão Katrina que buscaram refúgio no Texas de "fumadores de crack e criminosos".Vovó Enquanto Kinky é visto como excentricidade e zebra na corrida texana, a candidata ´vovó durona´, Carole Keeton Strayhorn, é tida como uma das principais rivais do favorito, o governador republicano e candidato à reeleição Rick Perry.Strayhorn é mãe de Scott McLellan, ex-porta-voz da Casa Branca, a quem ela chama de "baby boy Scott". Strayhorn chegou a tentar, sem sucesso, incluir a palavra "vovó" nas cédulas eleitorais. Sua campanha enfatiza o combate ao crime - ela promete ser especialmente dura com criminosos que cometeram delitos de natureza sexual. Tanto Strayhorn, como Friedman, têm simpatizantes mesmo entre os eleitores de Perry. "Eu sou excêntrica e acredito que alguém diferente é o que há", disse uma eleitora. "Nós já temos experiência (no poder) e isso não nos levou muito longe, então talvez precisemos chacoalhar as coisas um pouco", disse outro eleitor texano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.