Candidatos locais do PRI reaparecem no sul do México Ofensiva a carteis amplia sequestros

Centenas de pessoas desapareceram no norte do México desde 2006 e não voltaram mesmo depois de resgates serem pagos

RODRIGO CAVALHEIRO, ENVIADO ESPECIAL, MONTERREY, MÉXICO, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2012 | 03h08

Em maio de 2010, homens armados entraram na casa da professora Leticia Hidalgo em Monterrey e levaram Roy Hidalgo, seu filho. O estudante de Filosofia não voltou a ser visto, a não ser em cartazes, ao lado das centenas de pessoas que desapareceram no norte do México desde que o governo iniciou, em 2006, uma ofensiva contra o narcotráfico.

No sábado, parentes e amigos de desaparecidos reuniram-se diante da sede do governo de Monterrey para expor um dos principais desafios do novo presidente: esclarecer os sequestros, que acabam com resgates pagos sem que os reféns apareçam.

"Alguns dos que atacaram nossa casa usavam coletes da polícia", diz Leticia, com a foto do filho presa à blusa branca por um alfinete. "Pagamos o que eles pediram e nunca houve avanço na investigação. Nossa vida passou a ser procurar Roy."

Segundo o especialista em segurança René Jiménez Ornelas, da Universidade Nacional do México, estima-se que apenas 4% dos sequestros sejam reportados à polícia. E apenas 2% são investigados. "Há 15 anos, moradores da Cidade do México migravam para Monterrey justamente atraídos pela segurança. Hoje, estão fazendo o caminho inverso", afirma.

Do ponto de vista político, o surto de sequestros tem tanto ou mais impacto que os mortos na guerra aos traficantes. E enquanto boa parte das baixas no conflito são de soldados do tráfico - segundo o governo, 90% dos cadáveres são de criminosos, embora não haja um controle preciso -, entre os alvos dos sequestradores estão famílias de classe média, como a de Leticia.

A multiplicação dos sequestros é consequência direta da ofensiva contra os grandes cartéis. O ataque aos chefes do narcotráfico, desencadeado pelo presidente Felipe Calderón, provocou mudanças frequentes no comando dos grupos criminosos e animou integrantes de posto médio na hierarquia do crime a montar o próprio negócio.

Estas "máfias locais", sem chance nas rotas de tráfico dominadas por cartéis como Sinaloa e Los Zetas, diversificaram as atividades, incluindo crimes como extorsões a empresários, recrutamento forcado de imigrantes a caminho dos EUA e sequestros.

O sobrinho da enfermeira Yolanda Navarro Escobar foi capturado na cidade de Santiago, no litoral norte do México. Assim como Leticia, Yolanda entrou para o grupo Bordadeiras pela Paz de Nuevo León, Estado cuja capital é Monterrey. Como estratégia de pressão, o grupo costura em lenços brancos o nome e as circunstâncias dos desaparecimentos. Durante a votação de ontem, os lenços foram pendurados na grade que isola o palácio de governo de Monterrey de manifestantes.

César Garibay, candidato a prefeito de um cidade no sul do México pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), foi encontrado ontem ferido depois de ser sequestrado no sábado. Na semana passada, um outro candidato a prefeito do PRI no sul do país, Marcelo Ávila Velázquez, reapareceu após ser levado de casa por três homens armados. Vários candidatos a cargos locais renunciaram nas últimas semanas por causa de ameaças de grupos do crime organizado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.