Candidatos republicanos têm imagem negativa para eleitores independentes

Rejeição. Pesquisa indica que nenhum dos quatro concorrentes da Superterça tem menos de 40% de rejeição entre os americanos não filiados a nenhum dos dois grandes partidos, fatia do eleitorado imprescindível para um triunfo sobre Obama em novembro

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2012 | 03h07

Na Superterça, considerado o dia mais importante das primárias republicanas, uma pesquisa publicada pelo Washington Post/ABC News indicou que nenhum dos quatro pré-candidatos republicanos tem uma imagem positiva acima 40% entre eleitores independentes. A opinião dos independentes é vista como fundamental para um candidato conseguir se eleger presidente.

O levantamento foi divulgado antes de terminar a votação nos dez Estados participantes da Superterça, que distribuiria 437 delegados para a Convenção Nacional Republicana em agosto. São necessários 1.144 para ser o escolhido para enfrentar Barack Obama nas eleições presidenciais de novembro.

O ultraliberal Ron Paul, dos quatro pré-candidatos, com 38%, é o que possui o melhor índice de aprovação entre os eleitores independentes, de acordo com a pesquisa.

O ex-governador de Massachusetts Mitt Romney (32%), favorito para vencer as primárias, e o ex-senador da Pensilvânia Rick Santorum (30%) empatam tecnicamente em segundo lugar. Newt Gingrich, ex-presidente da Câmara, tem apenas 21% de imagem positiva. Romney, ao longo de toda a campanha, insistiu que ele seria o único capaz de enfrentar Obama na disputa pelo eleitorado não filiado aos Partidos Republicano e Democrata. A pesquisa não perguntou aos eleitores qual a imagem que eles têm do presidente.

Ohio, visto como a prioridade entre os Estados onde ocorreriam as prévias de ontem, tem um peso importante justamente por ser um "swing state" - Estados que não têm predomínio de democratas ou republicanos. Uma vitória ontem indicaria quais as chances deles nas eleições gerais.

Massachusetts, Vermont e Virgínia deveriam escolher Romney. Santorum era favorito em Oklahoma e Tennessee. Dakota do Norte, Idaho e Alasca, onde serão realizados caucus, deveriam ficar nas mãos de Paul. Gingrich levava vantagem apenas na Geórgia, onde fez a sua carreira política.

Com 437 delegados em jogo, a Superterça deste ano não era vista por analistas como a última etapa das primárias. A tendência é a de que os quatro candidatos permaneçam na disputa, independentemente dos resultados. Aos poucos, porém, o establishment republicanos começa a se consolidar ao redor de Romney.

Durante o dia, enquanto os eleitores votavam nas prévias ontem, três candidatos republicanos, em discursos para a Aipac (lobby conservador pró-Israel dos EUA) decidiram atacar Obama pelo que eles consideram uma posição fraca em relação ao programa nuclear iraniano.

Segundo Romney, "o presidente fala em interesses comuns (com o Irã). Mas não temos nenhum interesse comum com um regime terrorista". Santorum, por sua vez, disse que Obama "sempre deu as costas para o povo de Israel". Gingrich acrescentou que não dá para esperar até o Irã construir uma bomba atômica, sendo preciso "agir agora".

Dias depois da Superterça, haverá caucus republicanos no Kansas, em Guam (território americano no Pacífico) e nas Ilhas Virgens (território americano Caribe) no sábado. Na próxima semana, Santorum deve ter a chance de recuperar o impulso caso não se saísse bem ontem.

O Alabama e o Mississippi, dois Estados sulistas, de perfil mais conservador e em sintonia com o ex-senador, realizarão primárias. No Havaí, pouco relevante pois certamente elegerá Obama em novembro, ocorrerá um caucus.

Uma "minissuperterça" ocorrerá em 24 de abril, com primárias em Nova York, Pensilvânia e outros três Estados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.