Saul Loeb/AFP
Saul Loeb/AFP

Candidaturas de mulheres à Câmara dos Deputados dos EUA batem recorde

Segundo centro de referência de atividade política feminina nos EUA, país já registrou 243 candidaturas; recorde anterior, de 2018, havia sido de 234

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2020 | 18h25

WASHINGTON  - O número de mulheres candidatas a uma cadeira na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos nas próximas eleições alcançou um novo recorde, segundo anúncio feito nesta sexta-feira, 7, por um centro de referência de atividade política feminina no país.

"Até o momento, 243 mulheres garantiram sua candidatura à Câmara dos Deputados dos Estados Unidos" nas eleições de 3 de novembro para o Congresso, um número que representa "um novo recorde", informou o Center for American Women and Politics (CAWP), que faz parte da Universidade Rutgers.

O recorde anterior era de 2018, com 234 mulheres, segundo o CAWP, que esclareceu que ainda há eleições primárias a serem realizadas em 13 Estados, portanto, a contagem atual pode aumentar. 

Das atuais candidatas, 74 pertencem ao Partido Republicano, também o maior número da história, bem acima do recorde anterior de 2004, que era de 53 indicações. Já do lado democrata, 169 mulheres estão concorrendo a um assento na Câmara, menos do que o recorde de 182 nas eleições de meio de mandato de 2018, observou o CAWP.

Em janeiro de 2019, uma quantidade inédita de mulheres e membros de minorias entrou no Congresso. Isso aconteceu em um ano marcado pelo movimento contra o abuso sexual #MeToo e pela desconfiança do presidente Donald Trump.

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

Cerca de um quarto das cadeiras do Congresso são atualmente ocupadas por mulheres: 101 na Câmara dos Deputados (88 delas democratas) e 26 no Senado (17 delas democratas). Na Câmara, a democrata Nancy Pelosi, que exerce pela segunda vez a presidência, se tornou em 2007 a primeira mulher na história ocupar o cargo./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.