'Canibal da besta' é condenado à prisão perpétua pela morte de 3 mulheres

O doutorando em criminologia Stephen Griffiths confessou o assassinato de três prostitutas em Bradford.

BBC Brasil, BBC

21 de dezembro de 2010 | 10h57

Griffiths admitiu ter assassinado três prostitutas locais

O britânico Stephen Griffiths, de 40 anos, foi condenado nesta terça-feira à prisão perpétua pelo assassinato de três mulheres em Bradford, no norte da Inglaterra.

Griffiths, que é formado em psicologia e doutorando em criminologia, confessou o assassinado de Suzanne Blamires, de 36 anos, Shelley Armitage, de 31, e Susan Rushworth, de 43, que trabalhavam como prostitutas na cidade.

Ele foi ouvido em julgamento na Corte Real de Leeds sobre as acusações que foram registradas em maio.

Na época, Griffiths se identificou no tribunal como "o canibal da besta", apelido dado a ele por parte da mídia britânica por ter supostamente executado uma vítima usando uma besta (arma com aparência de espingarda que dispara uma flecha com uma corda).

Vídeos

O estudante foi acusado após a aparição de vídeos do circuito interno de vigilância do edifício onde morava, em que ele aparecia atacando Suzanne Blamires.

No vídeo, Blamires foi vista correndo do apartamento de Griffiths e, em seguida, arrastada pelo chão pelas pernas.

Griffiths atirou nela com uma besta e mostrou o dedo médio para a câmera.

Os restos mortais da mulher foram encontrados no dia seguinte boiando no rio Aire.

Griffiths admitiu ter matado Blamires entre 20 e 25 de maio, Susan Rushworth entre 22 de junho de 2009 e 25 de maio de 2010 e Shelley Armitage, entre 25 de abril e 25 de maio deste ano.

No tribunal, ele declarou ter comido pedaços da carne de Suzanne Blamires.

Segundo a mídia britânica, ele foi descrito pelos vizinhos como um "solitário" obcecado com prostitutas.

Sua tese de doutorado era sobre assassinatos em Bradford no século 19.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.