"Canibal de Roterbug" procurou mais vítimas pela internet

Um especialista em computação alemão que confessou ter matado e comido a carne de um homem que conheceu pela internet testemunhou, em seu julgamento, que tentou encontrar novos voluntários para repetir o ritual. Armin Meiwes, de 42 anos, conhecido como o "canibal de Roteburg", depôs no tribunal de Kassel dizendo que procurou novas vítimas voluntárias, através de anúncios na internet e de chat rooms, depois de ter matado, em março de 2001, em sua casa, o engenheiro Bernd Juergen Brandes, de 43 anos, de Berlim. Ele testemunhou que trocou e-mails com uma pessoa que estaria disposta a morrer.Meiwes começou a ser julgado na quarta-feira, quando ofereceu uma confissão detalhada do crime. Sua vítima, garantiu, disse que queria ser morta a facadas, depois de tomar uma droga para ficar inconsciente. Ele rejeitou a acusação de assassinato, argumentando que sua vítima aceitara plenamente e por escrito todas as fases do ritual, mas classificou o ato de "amoral e doentio". O ritual foi gravado por ele em vídeo.Meiwes se disse de certa forma "desapontado" com Bernd, "por ele não ter 36 anos como dizia" e porque ele não quis "me conhecer melhor".A promotoria acusa Meiwes de assassinato sexualmente motivado, o que pode acarretar a prisão perpétua. A defesa alega que ele praticou uma forma de eutanásia - que é punida com no máximo cinco anos de prisão. Um veredicto é esperado para fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.