Caos aéreo chega perto do fim na Europa

Após erupções de vulcão diminuírem, companhias pedem aos governos da UE auxílio contra prejuízo econômico estimado em US$ 1,7 bilhão

Andrei Netto, correspondente em Paris, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

Exatos sete dias após o início do caos nos aeroportos causado pelas erupções do vulcão Eyjafjallajokull, na Islândia, a Europa respirou aliviada ontem, com a retomada de 80% dos voos previstos para uma quarta-feira comum.

 

Veja também:

link Cinzas vulcânicas custam US$ 1,7 bilhões às companhias aéreas, diz Iata

link Agência criará regras para aviões voarem com cinzas

link Atividade de vulcão na Islândia diminui, mas ventos continuam fortes

link Nuvem de cinzas mostra que é preciso um melhor sistema ferroviário europeu

A perspectiva era ainda mais otimista para o transporte aéreo de hoje, quando quase 100% dos 28 mil voos devem ser realizados, segundo a Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol).

O número de decolagens realizadas ontem superou até mesmo os prognósticos mais otimistas das autoridades. Com a redução das erupções na Islândia, combinada com a inversão da direção dos ventos, a nuvem de cinzas que pairava sobre a atmosfera da Europa perdeu densidade, permitindo a reabertura progressiva do espaço aéreo.

Ontem, as maiores restrições ocorreram em aeroportos da Finlândia e no norte da Escócia. Em contrapartida, entroncamentos importantes para a fluidez do tráfego, como Londres, Paris, Frankfurt e Amsterdã, abriram pela manhã, facilitando a reorganização dos voos de longa duração, que eram a prioridade das maiores companhias aéreas.

Todos os 338 voos transatlânticos realizados em direção à Europa puderam aterrissar ao longo do dia. A perspectiva, entretanto, é de que o transporte dos mais de 7 milhões de passageiros prejudicados pela crise se estenda pelos próximos dias.

"Prevemos que quase 100% do tráfego aéreo seja garantido nesta quinta-feira", afirmou Brian Flynn, coordenador de operações do Eurocontrol. Em Paris, passageiros da TAM com tíquetes para domingo e segunda-feira foram convidados a comparecer no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle.

Se diminuiu de intensidade, a crise do transporte europeu não deixou de causar prejuízo. Com as anulações de ontem, o número de decolagens canceladas ultrapassou a barreira de 100 mil, elevando o prejuízo das companhias a US$ 1,7 bilhão, segundo cálculos da Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA). Em pronunciamento na manhã de ontem, o diretor-presidente da associação, Giovanni Bisignani, aproveitou a oportunidade para pedir aos governos do bloco "que assumam suas responsabilidades".

Colocando-se como vítimas de "um ato de Deus contra o qual não podíamos fazer nada", a IATA pediu o socorro financeiro de Bruxelas. "Sou o primeiro a dizer que a indústria não deve depender de subvenções", argumentou Bisignani. "Mas o que aconteceu é excepcional."

Além de estudar o pedido de ajuda da IATA, os ministros de Transportes da UE devem reforçar nas próximas semanas as atribuições do Eurocontrol, dando à organização a autoridade máxima para controlar o tráfego aéreo nos céus do continente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.