Caos de inverno aumenta angústia de chineses no feriado

O inverno mais impiedoso emmeio século na China continuou a causar sofrimento intenso amilhões de passageiros no domingo, enquanto eles lutavam paravoltar a suas cidades de origem no feriado mais importante doano chinês. O tráfego nas principais rodovias estava muito lento devidoaos milhares de pessoas que viajavam de carro, já sem esperançade viajar de trem após os atrasos prolongados no sistemaferroviário. O caos causou a morte de um passageiro, pisoteadopor uma multidão que correu para embarcar em uma composição. As condições climáticas geladas dificultaram o tráfego. Umengarrafamento se estendia por 70 quilômetros, e o exércitoenviou tanques para limpar o gelo que recobre as estradas. "Na estrada, só pudemos avançar passo a passo, parando acada 100 ou 200 metros", contou Feng Quangfu, que chegou àmetrópole de Guangzhou, no sul do país, 11 dias após partir donorte, numa viagem que normalmente levaria dois dias. "Ontem só andamos um quilômetro durante o dia inteiro", elecontou ao China News. Pela manhã, as autoridades recomendaram à população manterdistância das estações ferroviárias, depois de um trabalhadormigrante morrer esmagado na sexta-feira, quando 260 mil pessoasinvadiram a estação. Os serviços ferroviários estão sendo retomados aos poucos,prejudicados pelo fato de muitos trens serem separados para otransporte de suprimentos de emergência. Especialistas prevêem que o inverno fora do normal possa seprolongar até depois do Ano Novo chinês, que será comemorado nomeio da semana, e disseram que o frio e a neve em regiões nãoacostumadas a tais condições são o pior desastre natural aatingir o país em décadas. No sul da China, milhões de pessoas chegaram ao fim do nonodia sem eletricidade. "Os desastres graves vão continuar", disse o governo. "Otrabalho de resgate e ajuda emergencial continuarão sendo muitoduros." As autoridades acreditam que pelo menos 60 pessoas tenhammorrido durante o frio excepcional, a maioria em acidentesrodoviários. A China já enviou mais de 300 mil soldados e quase 1,1milhão de milicianos e reservistas para ajudar a fazer otráfego andar e garantir o fornecimento elétrico. Atiradores de elite dispararam tiros de submetralhadoracontra cabos de força para quebrar o gelo que os recobre, esoldados usaram tanques para limpar a neve, informou a agênciaXinhua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.