Capitais árabes vivem dia de protestos contra planos de paz

Centenas de milhares de iemenitas e vários milhares de estudantes egípcios participaram de fervorosos protestos nesta terça-feira, conclamando os líderes árabes a demonstrar mais apoio para os palestinos e a usar a força - e não os planos de paz - para apoiar a revolta palestina contra Israel.Os manifestantes iemenitas expressaram sua oposição a qualquer normalização das relações com Israel e carregaram faixas pedindo aos líderes árabes - que começam nesta quarta-feira uma reunião de cúpula de dois dias em Beirute -, que rejeitem qualquer ataque dos EUA ao Iraque. Eles queimaram bandeiras israelenses e uma efígie do primeiro-ministro linha dura de Israel, Ariel Sharon. No Egito, até 5 mil estudantes se encontraram na Universidade Menoufia, a cerca de 60 quilômetros ao norte do Cairo. "Digam à Cúpula Árabe, queremos a unidade islâmica", gritaram os estudantes. Eles também pediram aos árabes para "juntar seus Exércitos ... antes que os infiéis acabem com vocês". Na Universidade Zagazig, outros 5 mil estudantes promoveram protestos, gritando "nossos líderes, digam isso bem forte, Jerusalém vai permanecer árabe" e pedindo por "libertação por meio das armas, não através da iniciativa saudita". Os líderes árabes na reunião de cúpula de Beirute vão discutir uma proposta do príncipe da coroa saudita Abdullah, oferecendo a Israel plenas relações com o mundo árabe, em troca das terras árabes tomadas durante a Guerra de 1967. Na cidade portuária de Alexandria, à beira do Mar Mediterrâneo e na cidade de Tanta, no delta do Nilo, milhares de pessoas participaram de protestos semelhantes. Em Bagdá, várias centenas de jornalistas iraquianos conclamaram os líderes árabes a tomar uma posição unificada de apoio à revolta palestina. Na Síria, o partido radical Frente Democrática para a Libertação da Palestina criticou uma declaração dos ministros das Relações Exteriores dos países árabes, divulgada nesta terça-feira, por ela não fazer referência à revolta e à resistência palestinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.