Andrew Medichini/AP
Andrew Medichini/AP

Capitão do Costa Concordia será julgado por homicídio culposo

Schettino deixou o navio, que naufragou na Itália, antes que todos tripulantes e passageiros tivessem saído

O Estado de S. Paulo,

22 de maio de 2013 | 12h54

ROMA - Francesco Schettino, o capitão do navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na costa da Itália no ano passado, matando 32 pessoas, será julgado por homicídio culposo múltiplo, além de outras acusações, determinou um juiz italiano nesta quarta-feira, 22.

O Costa Concordia virou perto do porto de Giglio, em janeiro do ano passado, após ter atingido rochas durante uma manobra realizada muito perto da costa. O acidente provocou a retirada durante a noite de mais de 4.000 passageiros e tripulantes do navio, de 290 metros de comprimento.

O capitão Schettino deixou o navio antes que todos os tripulantes e passageiros estivessem na terra.

Um juiz da cidade toscana de Grosseto decidiu que Schettino será julgado pelas acusações de múltiplo homicídio culposo e abandono de navio, entre outras. A primeira audiência está marcada para 9 de julho, disse à Reuters o advogado de Schettino, Francesco Pepe. Se for considerado culpado, Schettino pode pegar até 20 anos de prisão, de acordo com Pepe.

No mês passado, a Promotoria rejeitou uma oferta de acordo com a confissão de Schettino, mas aceitou a de outros cinco funcionários, incluindo quatro oficiais do navio e o coordenador de crise da empresa proprietária da embarcação, a Costa Cruzeiros.

A Costa Cruzeiros, uma unidade da Carnival Corp, concordou em pagar 1 milhão de euros para resolver possíveis acusações criminais, em abril. Isso significa que Schettino será a única pessoa julgada pelo desastre marítimo.

"Nós esperávamos desde o início que ele fosse levado a julgamento", disse o advogado de Schettino. Ele argumenta que seu cliente foi feito de bode expiatório. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.