Bettmann
Bettmann

Cápsula do tempo enterrada em 1967 com mensagem leninista é aberta na Sibéria

Mensagem para as futuras gerações, que pede para preservar o legado do líder da revolução bolchevique, foi extraída de um local em um monumento situado no território de uma fábrica de cimento

O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2017 | 15h40

MOSCOU - Operários de uma fábrica de cimento de Kamensk, na República russa de Buriácia, desenterraram uma "cápsula do tempo" colocada pelos funcionários locais há meio século, informaram nesta segunda-feira, 14, os meios de comunicação do país.

A mensagem para as futuras gerações, que pede para preservar o legado do líder da revolução bolchevique, Vladimir Lenin, foi extraída de um nicho em um monumento situado no território da fábrica.

"Passarão anos e vocês, a geração de 2017, substituirão os veteranos da Revolução. Pedimos que cumpram com o legado leninista e fazê-lo tornar-se realidade junto com as gerações maiores", diz a mensagem do passado.

Os operários da fábrica pedem, além disso, aos herdeiros que não percam a fé no "luminoso futuro comunista dos povos do nosso planeta".

"É um documento histórico muito interessante. A mensagem plasma o espírito reinante naquele tempo e fala do futuro tal e como imaginavam os operários desta fábrica no distante 1967", comentou Guennadi Raskazov, primeiro vice-presidente do grupo Cimento Siberiano, ao qual pertence a planta.

A "cápsula do tempo "foi enterrada por ocasião do 50.° aniversário da Revolução de Outubro de 1917.

Os trabalhadores da fábrica decidiram continuar o exemplo dos leninistas e colocaram outra mensagem no mesmo lugar para ser recuperada em 2042, dentro de 25 anos. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Moscou [Rússia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.