Captura de Saddam é presente de Natal para Blair

O comentário mais repetido pelo analistas britânicos é inevitável: o primeiro-ministro Tony Blair, a exemplo do seu colega George W Bush, não poderia esperar um melhor presente de Natal. A captura de Saddam Hussein finalmente oferece um tom de triunfo numa guerra que resultou em elevados custos políticos para o chefe de governo britânico.Apesar da enorme oposição doméstica, inclusive nas fileiras de seu Partido Trabalhista, Blair decidiu juntar-se aos Estados Unidos na ofensiva militar no Golfo Pérsico. Nos dias que antecederam o ataque ao Iraque, a determinação de Blair unir-se a Bush chegou a ser vista como um golpe mortal nas suas chances de sobrevivência política no médio prazo. Desde então, Blair foi capaz de consertar parte dos danos políticos, concentrando-se nos temas domésticos. Mas a inexistência de armas de destruição em massa e as incertezas que ainda marcam o futuro do Iraque continuavam incomodando bastante o primeiro-ministro e poderão ter um impacto negativo nas próximas eleições para o Parlamento britânico, caso ele pretenda permanecer no posto (o que parece quase certo).Diante desse quadro, a prisão de Saddam representa um importante desdobramento positivo para Blair, que não perdeu tempo de se manifestar a respeito do tema. Após divulgar uma nota oficial sobre a captura, Blair concedeu uma entrevista à imprensa na qual salientou que caberá ao povo iraquiano decidir o destino de Hussein. "Saddam está fora do poder. Ele não vai retornar, o povo iraquiano sabe disso agora e será ele que vai decidir seu destino". Segundo ele, a prisão abre espaço para a pacificação do país. "É tempo para comemorações mas também é tempo de se olhar para o futuro, para se unir e reconciliar", disse, acrescentando que a captura de Saddam deverá mostrar para à "pequena minoria de iraquianos" que ainda o apoiava que a sua aspiração era inócua. Blair salientou que os muçulmanos foram vítimas Saddam "Os muçulmanos hoje no Iraque, são beneficiários de sua queda."» veja a galeria de imagens

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.