Caracas expulsa eurodeputado após críticas

Governo espanhol emitirá ?nota de queixa?; político diz em São Paulo que viveu situação parecida a um sequestro

Efe, O Estadao de S.Paulo

14 de fevereiro de 2009 | 00h00

O deputado espanhol Luis Herrero, expulso de Caracas pelo governo da Venezuela na sexta-feira, denunciou ontem em São Paulo que viveu uma situação "parecida com um sequestro", por parte de policiais venezuelanos que o levaram sem explicações até um avião. O governo espanhol convocou o embaixador da Venezuela em Madri, Alfredo Toro Hardy, para queixar-se pela expulsão do deputado do Partido Popular (de oposição), que participaria como observador do referendo de hoje na Venezuela.Herrero, que também é deputado pelo Parlamento Europeu, ratificou ontem as críticas ao governo venezuelano que motivaram sua expulsão: "Após ouvir relatos de prefeitos da oposição sobre o medo que existe e as ameaças do presidente Hugo Chávez a seus adversários, disse que esses comportamentos são próprios de uma ditadura e não me arrependo." Chávez qualificou como "lamentável" e "indigna" a atitude de Herrero, mas disse ter confiança de que o "incidente" não afetará as relações com a Espanha.Herrero chegou a São Paulo em um voo da Varig que partiu de Caracas. Ele declarou à agência EFE que estava no hotel quando chegou uma pessoa, que se identificou como representante da chancelaria, com seis ou oito policiais, que o colocaram em uma caminhonete. "Só me disseram que tinham recebido ordens de me expulsar do país", disse Herrero. O veículo, segundo Herrero, foi diretamente para a pista do aeroporto de Maiquetía e parou diante da escada do avião. O eurodeputado disse que não estava com passaporte ou seus pertences, que tinham ficado no hotel. O representante da chancelaria enviou um motorista, que, depois de uma hora, voltou com o passaporte de Herrero. O eurodeputado disse que só soube seu destino quando entrou no avião. Naquele momento, conseguiu falar por telefone com o embaixador da Espanha na Venezuela, Dámaso de Lario. Herrero foi recebido pelo vice-cônsul Ignacio García e partiu ontem à tarde para Madri.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.