Caracas põe Exército nas ruas para ações de combate ao crime

Cerca de 3 mil militares e policiais foram acionados para patrulhar distritos violentos

O Estado de S. Paulo,

14 de maio de 2013 | 19h29

CARACAS - O governo venezuelano está adotando um plano de combate à violência que acionou na segunda-feira cerca de 3 mil militares e policiais - principalmente no Estado de Miranda, governado pelo opositor Henrique Capriles - para reforçar a segurança no país. Nesta terça-feira, 14, o presidente Nicolás Maduro também aplicou a primeira etapa do aumento salarial que pretende dar às Forças Armadas.

O deslocamento das forças de segurança foi iniciado nos distritos caraquenhos de Sucre e Baruta que, localizados no Estado sob o governo do líder opositor derrotado nas duas últimas eleições presidenciais, são administrados por prefeitos também pertencentes aos rivais do chavismo.

"Decidimos lutar com toda nossa alma para construir uma pátria segura", declarou Maduro na segunda-feira em cadeia nacional de rádio e TV, diante de batalhões de militares e policiais, no Forte Tiuna.

Capriles, que não aceita a derrota para Maduro na votação de 14 de abril, afirmou em uma entrevista à Unión Radio que "segurança não é simplesmente pôr as forças policiais ou o Exército nas ruas".

O governador de Miranda - onde, segundo o governo federal, ocorreram 16% dos 3,4 mil assassinatos registrados no primeiro trimestre do ano - pediu um "plano integral" de segurança, que se concentre também na luta contra a impunidade e na reforma do problemático sistema carcerário venezuelano. O opositor contesta as cifras oficiais de violência em seu Estado, afirmando que 10% dos homicídios na Venezuela ocorrem em Miranda e qualificando os registros do governo federal de "politicagem".

Favela. "Exigimos que o Exército suba os morros. Diariamente nos roubam duas ou três motos", disse nesta terça-feira José Vélez, membro de uma cooperativa de mototaxistas do Petare, uma das regiões mais violentas de Caracas, localizada no Estado de Miranda.

Visivelmente incomodado, Vélez afirmou que, na noite de segunda-feira, foi a primeira vez em muito tempo que viu policiais e militares patrulhando o local.

Assista ao vídeo de Maduro anunciando o aumento salarial às Forças Armadas:

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.