EFE/Cristian Hernández
EFE/Cristian Hernández

Caracas qualifica Colômbia de 'Caim da América' por apoio a Ortega

Ex-procuradora-geral e seu marido, o deputado chavista Germán Ferrer, chegaram à Colômbia na sexta-feira após escaparem da Venezuela denunciando perseguição do governo

O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 20h14

CARACAS - A Colômbia passou a ser o "Caim da América" e o "centro de uma conspiração" contra a Venezuela, denunciou nesta segunda-feira, 21, o governo de Nicolás Maduro, ao rejeitar a oferta de asilo que a ex-procuradora-geral Luisa Ortega Díaz recebeu do governo colombiano.

"Bogotá se tornou o centro da conspiração contra a democracia e a paz na Venezuela. Vergonha histórica do 'Caim da América'", assinalou o chanceler Jorge Arreaza no Twitter.

O ministro chamou de "cínica" a decisão do governo do presidente Juan Manuel Santos de receber Ortega e oferecer asilo a ex-procuradora, afirmando que Bogotá "protege a corrupção e o crime na Venezuela".

"O que se pode esperar de um governo que protege o chefe do Golpe de Estado de 2002 contra o comandante (Hugo) Chávez?!" - declarou o chanceler em referência ao empresário Pedro Carmona, asilado na Colômbia.

Ortega e seu marido, o deputado chavista Germán Ferrer, chegaram à Colômbia na sexta-feira após escaparem da Venezuela denunciando perseguição do governo.

A procuradora-geral foi destituída no dia 5 pela Assembleia Constituinte, transformada em poder soberano na Venezuela, três meses após romper com Maduro.

Ferrer teve a prisão decretada na Venezuela sob a acusação de liderar uma rede de extorsão a empresários a partir da Procuradoria, após a Constituinte derrubar sua imunidade parlamentar. / AFP 

Relembre: Peru expulsa embaixador da Venezuela

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.