Caracas segue Evo e expulsa embaixador dos EUA

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, ordenou ontem que o embaixador dos EUA em Caracas, Patrick Duddy, abandone a Venezuela em 72 horas, em uma medida de solidariedade à Bolívia. "Vão embora, ianques de m...", disse Chávez em um evento em Puerto Cabello, a 120 quilômetros da capital.Chávez manifestou seu apoio ao presidente boliviano, Evo Morales, que declarou persona non grata o embaixador dos EUA na Bolívia, após acusá-lo de estar por trás das manobras da oposição. Ele disse que "quando houver um novo governo nos EUA", a Venezuela enviará um embaixador, mas enquanto George W. Bush permanecer no poder não terá um representante diplomático em Washington. Chávez também ameaçou cortar o fornecimento de petróleo aos EUA se o país agredir a Venezuela. Horas antes, Chávez havia dito que se Evo for derrubado ou assassinado a Venezuela dará apoio armado para grupos aliados na Bolívia. "Se Evo fosse deposto ou morto, saibam os golpistas que estariam me dando luz verde para aprovar qualquer movimento armado na Bolívia." Os dois países têm um acordo que permite à Venezuela prestar ajuda militar à Bolívia caso a segurança nacional desse país esteja ameaçada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.