Caracas ‘veta’ reunião da OEA para discutir crise no país

A Organização dos Estados Americanos (OEA) trava intenso debate sobre como atuar na crise na Venezuela, depois de o Panamá ser derrotado em sua tentativa de realizar ontem uma reunião extraordinária do Conselho Permanente da entidade, na qual se discutiria a convocação de um encontro de chanceleres da região.

CENÁRIO: Cláudia Trevisan - O Estado de S. Paulo,

01 de março de 2014 | 00h10

Os 34 países-membros da organização discutem agora diferentes propostas para reagir ao conflito entre o governo de Nicolás Maduro e opositores. A Venezuela se opõe à intervenção da OEA e sustenta que a União de Nações Sul-americanas (Unasul) é o âmbito mais apropriado para discutir a situação do país.

Apesar de a reunião proposta pelo Panamá não ter ocorrido, o representante do Brasil na OEA, Breno Dias da Costa, disse ao Estado que a maioria dos integrantes da organização considera prematura a realização do encontro.

A reunião do Conselho Permanente foi convocada para ontem, mas foi cancelada por não ter seguido o regulamento da entidade. O encontro foi marcado pelo representante da República Dominicana, que é o presidente do conselho. No entanto, por estar fora dos EUA, o comando da OEA foi para a vice-presidência, ocupada pela Venezuela, que cancelou a reunião.

Com o encontro dos chanceleres praticamente descartado, a OEA debate a possibilidade de emitir um comunicado sobre os conflitos ou enviar uma missão para verificar a situação do país.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaprotestosOEAUnasul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.