Carlos Mesa é o novo presidente da Bolívia

Carlos Mesa foi empossado no fim da noite desta sexta-feira como o novo presidente da Bolívia. A aprovação do nome do vice-presidente aconteceu pouco depois de o parlamento aceitar a renúncia de Gonzalo Sanchez de Lozada, que caira horas antes, após uma onda de protestos e distúrbios que tomou conta do país por causa da crise da exportação de gás natural. Ao fazer o juramento de posse, Mesa lembrou os mais de 70 mortos durante os distúrbios no país. ?Minha primeira obrigação é prestar minha mais sentida e profunda homenagem às mulheres e os homens da Bolívia que nesses dias ofereceram suas vidas pela pátra, pela democracia e pelo futuro?. Mesa prometeu um referendo popular sobre a exportação de gás. jornalista e historiadorUm dos jornalistas mais famosos da Bolívia, Carlos Mesa tem 50 anos, é casado com Elvira Salinas e tem dois filhos. Escreveu o livro ?Entre Urnas e Fuzis?, um best seller sobre os presidentes e a tumultuada história do país. Na reunião anual da ONU em Nova York, Mesa alertou que a democracia corria risco em seu país, ?por causa da pressão dos miseráveis? - uma referência à maioria pobre de seu país 8 milhões e oitocentos mil habitantes. ?Não podemos gerar crescimento econômico e bem-estar para poucos e esperar que a maioria, excluída, assista silenciosa e pacientemente?, acrescentou, pedindo aos ricos maior assistência para os países em desenvolvimento. Antes de entrar para a política, Mesa construiu uma boa reputação como historiador boliviano. Ele é membro da Academia de História da Bolívia. Ganhou credibilidade como jornalista de rádio, televisão e jornal impresso. Mesa é amigo do ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada. A amizade se revelou um fator essencial para a eleição de Lozada, em julho de 2002. Mas as diferenças entre os dois logo vieram a público e relatos de desentendimentos dois eram comuns. Quando esta última crise saiu do controle, as diferenças se tornaram ainda mais evidentes. Mesa, sem renunciar, anunciou publicamente a retirada do apoio a Lozada, descontente com a repressão aos protestos, que deixou dezenas de mortos.Em Miami, ex-presidente não sabe qual será seu futuro Congresso boliviano aceita renuncia de Lozada Festa na Bolívia após a renúncia do presidente Presidente da Bolívia renuncia Líder da oposição boliviana diz que aceitará posse do vice EUA mandam equipe de militares à Bolívia ONU suspende distribuição de alimentos na Bolívia Presidente da Bolívia diz que não renuncia Varig mantém vôos para La Paz suspensos até segunda Professor relata experiência na Bolívia Avião com brasileiros pousa em Campo Grande Assessor de Lula tem agenda apertada na Bolívia O futuro sombrio da Bolívia Brasil e Argentina enviam missão à Bolívia nesta sexta-feira Dezenas de milhares mantêm protestos na Bolívia ONU denuncia "excessos no uso da força" na Bolívia Lozada aceita referendo sobre questão do gás EUA resgatam estrangeiros de La Paz Conflito na Bolívia deixa mais dois mortos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.