Stephen B. Morton/The New York Times
Stephen B. Morton/The New York Times

Carolina do Sul retira bandeira confederada do Capitólio estadual

Símbolo escravocrata foi removido em cerimônia com a participação da governadora Nikki Haley e será enviado para museu militar

O Estado de S. Paulo

10 de julho de 2015 | 11h21

COLÚMBIA, EUA - A Carolina do Sul removeu permanentemente a bandeira confederada que ficava hasteada ao lado do Capitólio estadual nesta sexta-feira, 10, durante cerimônia que teve a participação da governadora republicana Nikki Haley e de outras autoridades do Estado.

A bandeira, considerada um símbolo do passado racista e escravocrata do país, estava hasteada ao lado do Parlamento do Estado há mais de 50 anos. Sua presença foi amplamente questionada no país depois do massacre em Charleston, em junho, no qual um supremacista branco matou nove negros em uma igreja da comunidade afro-americana.

Diante de um grande público e com transmissão ao vivo de emissoras locais, a bandeira foi retirada do prédio governamental e agora será armazenada em uma "sala de relíquias" no Museu Militar, em Colúmbia, capital da Carolina do Sul, junto com outros objetos e artefatos utilizados pelos soldados confederados durante a Guerra Civil dos EUA (1861-1865), há 150 anos.

Nikki, que na quinta-feira havia dito que o símbolo seria "retirado com dignidade", afirmou que esta sexta-feira era um grande dia para a Carolina do Sul em entrevista à emissora NBC. "Estou pensando naquelas nove pessoas (mortas em Charleston) hoje". 

O prefeito de Charleston, Joe Riley, também acompanhou a cerimônia em Colúmbia. Em 2000, Riley liderou uma marcha de sua cidade até a capital estadual, percorrendo cerca de 190 quilômetros para contestar a exibição do símbolo confederado. "Hoje, enfim, essa atitude foi tomada", disse o prefeito em declaração enviada à imprensa.

"Meu coração está radiante. Eu posso sentir a união", afirmou Tenetha Hall, moradora de Newberry, na Carolina do Sul, que tirou o dia de folga no trabalho e dirigiu cerca de uma hora para acompanhar a remoção da bandeira. "Estou muito feliz por meus filhos e netos poderem ver esse momento na nossa história."

O ator Bobby Dawson, que interpreta personagens da guerra civil americana, acompanhou em silêncio a cerimônia no Capitólio da Carolina do Sul. Dawson vestia calças de lã cinza e uma camisa de mangas compridas com o casaco do 101º regimento do Exército Confederado. Ele disse que um de seus antepassados lutou pelos dois lados durante o conflito. "Isto (a retirada da bandeira) traz emoção para alguns e uma ocasião solene para outros." / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUACarolina do Sulconfederados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.