Carro-bomba deixa mais de 50 feridos em reduto do Hezbollah no Líbano

Ataque, que não deixou mortos, segundo o governo, é o pior no país em vários anos

O Estado de S. Paulo,

09 de julho de 2013 | 14h26

Carros pegaram fogo após a explosão em Beirute. Foto: Hasan Shaaban / Reuters

BEIRUTE -Um carro-bomba de grande porte explodiu nesta terça-feira, 9, em um bairro de Beirute que é reduto do grupo xiita Hezbollah, deixando 53 feridos. O ministro da Saúde libanês, Hassan Khalil, disse que não houve mortes e a condição dos feridos não é grave.

Não há indicações imediatas sobre a responsabilidade do atentado, o pior desse tipo em vários anos. As tensões sectárias no Líbano vêm se agravando desde que o Hezbollah passou a participar da guerra civil na vizinha Síria, apoiando as forças do presidente Bashar al Assad contra a rebelião liderada pela maioria sunita.

Moradores do bairro xiita onde o atentado aconteceu atribuíram o ataque a apoiadores sunitas da insurgência contra Assad, e políticos também apontaram motivações sectárias.

"Isso é obra de agentes tentando criar conflito no Líbano", disse o deputado Ali Medad, do Hezbollah, presente no local do atentado. O presidente Michel Suleiman disse que o atentado reabre as "páginas negras" da guerra civil libanesa (1975-90).

O conflito na Síria já chegou ao Líbano, onde eventuais surtos de violência refletem a nova onda de tensão sectária que se espalha pelo Oriente Médio. Os muçulmanos sunitas do Líbano apoiam majoritariamente os rebeldes sírios, ao passo que os xiitas estão ao lado de Assad, membro da seita minoritária alauita, uma variação do islamismo xiita.

Grupos militantes sunitas haviam ameaçado atacar o Hezbollah por causa do seu envolvimento militar na Síria. O Hezbollah não reagiu imediatamente ao atentado de terça-feira, mas já havia deixado claro que pretende continuar lutando ao lado das forças de Assad na Síria.

Um repórter da Reuters viu um grande incêndio no local da explosão, perto de um shopping center no bairro de Bir al Abed, onde vários dirigentes do Hezbollah vivem e trabalham. Não ficou claro se algum dos líderes do grupo estava nos arredores no momento da explosão. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
HezbollahLíbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.