Carro-bomba explode e combate recomeça em Kobani

Carro-bomba explode e combate recomeça em Kobani

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, o veículo carregado de explosivos foi detonado na parte norte da cidade

Estadão Conteúdo

13 de outubro de 2014 | 10h08

Um carro-bomba enviado pelo grupo Estado Islâmico explodiu nesta segunda-feira em Kobani, onde milícias curdas enfrentam os extremistas para manter o controle sob a cidade síria.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, baseado em Londres, o veículo carregado de explosivos foi detonado na parte norte de Kobani, próximo à fronteira com a Turquia. A entidade coleta informações sobre os conflitos no país a partir de ativistas.

Segundo a instituição, o carro seguia rumo à passagem da fronteira e parece ter explodindo antes do previsto. Ainda não há informações se houve vítimas além do motorista que se suicidou no atentado.

Também nesta segunda-feira, explosões e tiroteios recomeçaram em Kobani, um dia após os militantes curdos conseguirem conter o avanço dos extremistas. Um minarete no centro da cidade foi atingido por um projétil de um lança-granadas, emitindo uma nuvem de fumaça branca sobre a cidade.

O combate intenso entre os membros do Estado Islâmico e curdos pelo controle da cidade acontece desde o final do mês passado. Para tentar conter o avanço dos extremistas, uma coalizão liderada pelos Estados Unidos tem realizado ataques aéreos ao redor de Kobani por mais de duas semanas. O destino da cidade, então, se tornou um teste importante para saber se os bombardeios são mesmo capazes de impedir os militantes do Estado Islâmico de conquistar posições na Síria.

Segundo o ativista curdo Farhad Shami, que está em Kobani, a coalizão aliada realizou dez ataques aéreos entre domingo e segunda-feira. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Estado IslâmicoSíriaTurquiaKobani

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.