Carro-bomba explode na Nigéria e deixa vários mortos

Um carro-bomba explodiu nesta terça-feira num mercado na cidade de Maiduguri, nordeste da Nigéria, matando ao menos 13 pessoas, mas segundo testemunhas as vítimas fatais chegam às dezenas.

Agência Estado

01 de julho de 2014 | 12h36

A cidade é um berço do Boko Haram, organização fundamentalista islâmica cujo nome significa "a educação ocidental é pecado". O grupo é o principal suspeito de ter realizado uma série de ataques recentes a bomba no país do oeste africano.

Os explosivos desta terça-feira estavam escondidos embaixo de uma carga de carvão na carroceria de uma picape, segundo testemunhas que falaram em condição de anonimato por temer represálias.

O comerciante Daba Musa Yobe, que trabalha perto do mercado, disse que a bomba explodiu logo após a abertura do local, às 8h, antes mesmo da chegada da maioria dos comerciantes e clientes. Barracas e bens foram reduzidos a escombros assim como a lataria de cinco carros e de alguns táxis triciclo que se incendiaram com a explosão.

Yobe disse que as forças de segurança isolaram a área, mas tiveram dificuldades para manter as pessoas afastadas, apesar dos avisos de que poderia haver explosões secundárias.

Testemunhas disseram ter viso cerca de 50 corpos no local. Mas o número de mortos poderia ter sido muito maior caso não fosse Ramadã. No mês sagrado, os muçulmanos fazem jejum entre o nascer e o pôr do sol e só se alimentam depois que anoitece. Dessa forma, poucos comerciantes e clientes estavam no mercado.

Um oficial de segurança que estava no local confirmou a explosão e disse que muitas pessoas devem ter morrido. Ele falou em condição de anonimato porque não tem autorização para falar com meios de comunicação.

Na semana passada, explosões tiveram como alvo o maior shopping center da capital Abuja, matando 24 pessoas. Numa escola média da cidade de Kano, norte do país, o ataque matou pelo menos oito pessoas

Maiduguri, cidade de mais de 1 milhão de habitantes, tem sido alvo de vários ataques. Em março, a explosão de dois carros-bomba matou mais de 50 num mercado noturno onde as pessoas assistiam a um jogo de futebol num telão.

O Boko Haram atraiu a atenção internacional desde abril, quando sequestrou mais de 200 meninas em idade escolar de uma cidade do nordeste do país.

Na noite de segunda-feira, o Exército anunciou que havia detido uma célula de inteligência terrorista e prendido um empresário que "participou ativamente" do sequestro que causou indignação no mundo todo.

Não estava claro se a ação vai ajudar no resgate das 219 meninas que ainda são mantidas em cativeiro. O Boko Haram ameaça vendê-las para se casarem ou como escravas se o governo nigeriano não trocá-las por insurgentes presos. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.