Carro-bomba explode no Paquistão

Apesar das fortes medidas de segurança adotadas por causa do ano novo, 12 pessoas ficaram feridas na explosão de um carro-bomba diante de um clube na cidade portuária de Karachi, a maior do Paquistão. A polícia disse que a bomba de baixa intensidade explodiu nas primeiras horas desta quarta-feira (horário local), danificando vários automóveis estacionados nas imediações do clube, que abriga instalações esportivas e restaurantes. Ninguém assumiu a autoria do atentado e a polícia disse não ter informações sobre quem pode ter detonado o carro-bomba. Mas militantes islâmicos são os principais suspeitos do ataque. Os grupos fundamentalistas islâmicos abominam as celebrações de ano novo e as consideram contrárias aos ensinamentos do Islã. Shabab-i-Milli, a ala jovem do grupo ortodoxo Jamaat-i-Islami, havia advertido contra a realização de festas no Paquistão em comemoração pelo anonovo. Em várias cidades paquistanesas - entre elas Lahore e a capital, Islamabad - podiam ser vistos fortes contingentes policiais, principalmente diante de hotéis, clubes, residências diplomáticas e casas particulares onde estavam sendo realizadas festas. O governo paquistanês vem tentando apertar o cerco a grupos extremistas islâmicos opostos ao estilo de vida liberal de muitos paquistaneses e às políticas pragmáticas do presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, aliado ocidental. O incidente ganha peso adicional, porém, em função do clima pré-guerra que o Paquistão vive diante da Índia, sua rival histórica na disputa pelo território da Caxemira. Grupos paquistaneses são os principais suspeitos do atentado suicida à sede do Parlamento indiano, que deixou 14 mortos no dia 13 de dezembro.

Agencia Estado,

01 Janeiro 2002 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.