OLATUNJI OMIRIN / AFP
OLATUNJI OMIRIN / AFP

Carro bomba explode perto de comício do líder nigeriano

Explosão provocou pelo menos duas mortes, ocorreu a cem metros do veículo no qual o líder nigeriano estava, após fazer campanha

O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 16h17

LAGOS - Um carro-bomba explodiu nesta segunda-feira no estacionamento de um estádio de Gombe, nordeste da Nigéria, pouco depois de o presidente Goodluck Jonathan deixar o local, após participar de um comício para as eleições presidenciais do dia 14.

A explosão provocou pelo menos duas mortes, ocorreu a cem metros do veículo no qual o líder nigeriano deixava o estádio. "A explosão aconteceu menos de cinco minutos depois que o veículo do presidente deixou o estádio Patami", relatou Abubakar Ahmed, morador da cidade de Gombe, que se encontrava a poucos metros do lugar da explosão.

Segundo assegurou, pelo menos duas pessoas morreram e outras 12 ficaram feridas na explosão.

Embora alguns moradores tenham dito que a explosão foi causada por um terrorista suicida, uma fonte de segurança assegurou que se tratou de um carro-bomba, que ficou completamente envolto em chamas após a explosão.

Após este incidente, o presidente nigeriano cancelou outro comício previsto para hoje no estado de Yobe, alvo de vários atentados nos últimos meses.


Este ataque aconteceu um dia depois de o grupo terrorista Boko Haram lançar uma ofensiva de grande escala sobre Maiduguri, a capital do estado de Borno, em uma tentativa de capturar uma cidade estratégica para suas aspirações de controlar o nordeste da Nigéria.

Embora ninguém tenha reivindicado esse atentado, todas as suspeitas apontam para o Boko Haram, cuja campanha de terror para estabelecer um califado islâmico na Nigéria custou milhares de vidas, a maioria delas no último ano e meio.

Perante a realização no dia 14 de eleições presidenciais na Nigéria, os jihadistas intensificaram sua campanha de terror contra vários estados do nordeste do país, entre eles Gombe. / AP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.