Carro-bomba mata ao menos 100 em mercado no Paquistão

Mais de 200 ficaram feridos; ataque coincide com visita da secretária de Estado americana, Hillary Clinton

estadao.com.br,

28 de outubro de 2009 | 07h30

A explosão de um carro-bomba em um mercado nesta quarta-feira, 28, matou pelo menos 100 pessoas e feriu mais de 200 na cidade de paquistanesa de Peshawar. O atentado coincidiu com a visita da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, ao Paquistão. Ela chegou à capital, Islamabad, cerca de três horas antes do ataque.

 

 

Segundo o diretor de um hospital local, a maioria dos mortos é de mulheres. A explosão ocorreu em Peepl Mandi, bairro onde moram muitos muçulmanos xiitas. De acordo com um policial, o ataque atingiu o Mina Bazaar, que reúne mulheres lojistas. De acordo com um policial, o ataque atingiu o Mina Bazaar, que reúne mulheres lojistas.

 

Segundo a BBC, Hillary condenou o atentando. Ela estava na capital paquistanesa Islamabad no momento do ataque, e disse que o povo do Paquistão não está sozinho na luta contra militantes rebeldes. Em entrevista coletiva a jornalistas, a secretária de Estado chamou os condenados de "odiosos e brutais". A secretária prometeu aumentar o apoio americano ao Paquistão na luta contra insurgentes.

Nenhum grupo reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo atentado, mas Peshawar tem sido o local de muitos dos ataques realizados pelos militantes islâmicos neste mês, uma escalada sangrenta que já matou mais de 500 pessoas.

 

A TV paquistanesa mostrou imagens de várias lojas em chamas e de veículos destruídos pela explosão, cuja origem ainda é desconhecida. Os serviços de resgate acreditam que muitas pessoas estejam ainda entre os escombros de alguns imóveis derrubados.

 

A cidade de Peshawar, assim como outros pontos do país, foi alvo de vários ataques terroristas nas últimas semanas. O mais recente havia acontecido na sexta-feira passada em um bairro residencial dos arredores contra um restaurante, onde a explosão de um carro-bomba deixou cerca de 15 feridos.

 

Segundo a BBC, alguns atentados foram realizados em resposta à ação do Exército paquistanês contra o Taleban na região do Waziristão do Sul, reduto dos militantes que faz fronteira com o Afeganistão.

O Exército paquistanês iniciou há onze dias uma operação em grande escala na região tribal, considerada o principal reduto da insurgência taleban no país, que reivindicou a maioria dos atentados recentes.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanGuerra ao Terror

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.