Carro-bomba mata ao menos dez no sudoeste do Paquistão

Atentado em Quetta deixou outros 22 feridos; vítimas celebravam o fim do mês sagrado do ramadã

Agência Estado

31 de agosto de 2011 | 09h25

Carros em chamas após a explosão em Quetta

 

ISLAMABAD - Um carro-bomba matou pelo menos 10 pessoas nesta quarta-feira e feriu outras 22 que celebravam o Eid al-Fitr em uma área muçulmana xiita da violenta cidade de Quetta, no sudoeste do Paquistão, informou nesta quarta-feira, 31, a polícia.

 

A bomba explodiu em um estacionamento próximo da mesquita onde fiéis marcavam o início do feriado do Eid al-Fitr, disse o graduado oficial de polícia Mohammad Hashim. Segundo ele, aparentemente houve um ataque suicida. O feriado marca o fim do mês sagrado muçulmano de jejuns do ramadã.

 

"O número de mortos subiu para 10", disse o oficial de polícia de Quetta Hamid Shakil. Ele afirmou que duas mulheres e um menino de 7 anos estão entre os mortos. "Eu ainda não posso dizer se é uma bomba suicida, mas estamos investigando."

 

Vários carros próximos pegaram fogo com a explosão. Uma casa ficou danificada, segundo testemunhas. Hashim confirmou o número de mortos, dizendo que até agora nenhum grupo reivindicou o ataque.

 

A província do Baluquistão, que tem Quetta como sua capital, sofre com um aumento da violência ligada a separatistas, confrontos sectários e militantes do Taleban. Centenas de pessoas morreram na província desde o início da insurgência, no final de 2004. Apesar de ter um dos piores padrões de vida no Paquistão, essa área tem o maior suprimento de recursos naturais do país.

 

A maioria da população de 177 milhões do Paquistão é formada por sunitas. O país, porém, é de maioria muçulmana xiita. Milhares de pessoas já morreram no Paquistão em ataques sectários desde o final dos anos 1980. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoviolênciaásiaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.