Carro-bomba mata dois e fere 30 no sul da Tailândia

Jornalista e trabalhador do serviço de resgate morrem; polícia atribui atentado ao movimento separatista

Efe,

22 de agosto de 2008 | 02h40

Um jornalista tailandês e um trabalhador dos serviços de resgate morreram e outras 30 pessoas ficaram feridas depois da explosão de um carro-bomba na cidade tailandesa de Sungai Kolok, confirmaram nesta sexta-feira, 22, fontes policiais. A explosão do carro-bomba aconteceu na quinta-feira à noite perto de um restaurante na conflituosa região muçulmana do sul da Tailândia e fronteiriça com a Malásia. Cerca de 20 minutos antes, outra bomba explodiu. Ela estava em uma motocicleta estacionada e causou danos menores. O coronel Prapan Meemongkol, chefe da delegacia local de Polícia, identificou as vítimas mortais como Chalee Boonsawat, jornalista do jornal Thai Rath, o de maior circulação na Tailândia e Chakrit Chalardwanakit, trabalhador do serviço de resgate de uma ONG. Entre os feridos estão um jornalista do Canal 9 da televisão tailandesa e um superintendente da polícia. A polícia atribuiu o atentado ao movimento separatista islâmico, que freqüentemente usa a tática de acionar, primeiro através de um telefone celular, bombas de pouca potência, como armadilha para atrair agentes de segurança, que vêm seguidas de outra explosão maior no mesmo local. Os ataques com armas leves e atentados com bomba se sucedem quase diariamente nas províncias muçulmanas de Narathiwat, Yala, e Pattani, apesar do desdobramento de cerca de 35 mil soldados das forças de segurança.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiacarro-bombaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.