Carro explode perto de prédio de segurança na Síria

Três pessoas morreram e pelo menos 30 ficaram feridas no 3º atentado deste fim de semana

Agência Estado,

18 de março de 2012 | 12h38

Texto atualizado às 13h24

 

Uma explosão ocorreu numa área residencial em Aleppo, segunda maior cidade da Síria, neste domingo e a agência de notícias estatal disse que foi um "atentado terrorista". Foi o terceiro atentado neste fim de semana, quando equipes da Organização das Nações Unidas (ONU) se preparam para uma missão humanitária liderada pelo governo e para uma visita para iniciar uma operação de monitoramento para acabar com o derramamento de sangue.

 

Veja também:

link Ataque em Damasco deixa 27 mortos

link 'Apoio do Brasil a Assad é política estúpida', diz comandante rebelde

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse por meio de nota que a explosão visava a atingir escritórios de segurança política em Aleppo. Três pessoas morreram e pelo menos 30 ficaram feridas, de acordo com a agência de notícias Sana.

 

A explosão provocou a queda da fachada de um edifício e graves danos materiais nos prédios adjacentes, segundo a Sana, que indicou que o atentado foi cometido por "um grupo terrorista armado" perto de uma igreja e de dois colégios.

 

Moradores de Aleppo disseram à Agência Efe por telefone que o carro-bomba explodiu no bairro de maioria cristã de Al Suleimaniya e tinha como alvo uma sede da Segurança Política.

 

Ontem, três homens bomba mataram 27 pessoas na capital do país, Damasco. O governo culpou a oposição, acusando-a de ser formada por "grupos terroristas" agindo em prol de uma conspiração estrangeira. Alguns líderes oposicionistas acusam o regime de cumplicidade com os ataques para enfraquecer o levante. Nenhum grupo assumiu o atentado.

 

A equipe de Kofi Annan, ex-secretário-geral da ONU, viajará a Damasco nesta segunda-feira, disse um porta-voz. (Com informações da Associated Press, Dow Jones e Efe)

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaexplosõesmortesONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.