Carros-bomba deixam 40 mortos no Iraque

Al-Qaeda é suspeita de explodir três veículos na cidade xiita de Amara

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2007 | 00h00

Bagdá - Pelo menos 40 pessoas morreram e 125 ficaram feridas na explosão de três carros-bomba no centro da cidade de Amara, de maioria xiita, situada 350 quilômetros ao sul de Bagdá. As explosões aconteceram de maneira coordenada, uma após a outra, na hora de maior movimento da manhã, quando vários iraquianos iam para o trabalho.Após as explosões, o cenário era devastador. Carros estavam completamente destruídos e as ruas cobertas de sangue. O primeiro carro-bomba explodiu perto de um cinema. O segundo foi detonado em um mercado. O terceiro, em um estacionamento. Os ataques ocorreram duas semanas antes de as tropas britânicas transferirem o controle da Província de Maysan, cuja capital é Amara, a forças de segurança iraquianas, como anunciado há três dias pelo primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown. De acordo com o premiê, até meados do ano que vem, todos os soldados britânicos deverão deixar o sul do Iraque, região que ocupam desde 2003. A segurança das ruas de Amara já havia sido entregue pelos britânicos a forças iraquianas em abril.MILÍCIAS XIITASSegundo o governo iraquiano, no entanto, o triplo atentado em Amara não deverá alterar os planos do comando militar da Grã-Bretanha de deixar o sul do Iraque, de onde sai a maior parte das exportações de petróleo do país.A maioria dos analistas, contudo, apontam a diminuição da presença britânica na área como responsável pelo aumento da tensão entre grupos xiitas rivais, que disputam influência na área. A maioria dos especialistas acredita que a região tem sido controlada de fato por milícias rivais, sobretudo pelo grupo Badr, braço armado do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque, principal partido xiita do país, e pelo Exército Mehdi, do clérigo xiita Moqtada al-Sadr.AL-QAEDANenhum grupo terrorista assumiu a autoria dos ataques de ontem. Autoridades iraquianas, porém, disseram que o estilo das explosões seguiam o padrão da Al-Qaeda. Recentemente, o governo americano alertou para a possibilidade de ações terroristas do grupo no Iraque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.