Carta com substância suspeita é enviada a Obama

Uma carta endereçada para o presidente dos EUA, Barack Obama, continha ricina, segundo testes iniciais, disseram funcionários do governo. Essa é a segunda carta que foi detectada nos últimos dias enviadas para figuras políticas.

Agência Estado

17 de abril de 2013 | 13h09

Na terça-feira, autoridades disseram que uma carta foi enviada ao senador republicano Roger Wicker e testes apresentaram resultado positivo para ricina, substância derivada do rícino, em uma unidade do correio em Baltimore.

As autoridades disseram que não tinha nenhuma razão para acreditar que as cartas suspeitas estão relacionadas ao ataque com bombas na Maratona de Boston, na segunda-feira, e destacaram que testes falsos de ricina são comuns.

A carta enviada para o senador foi encaminhada para um laboratório militar em Maryland para testes conclusivos. Não ficou claro onde testes adicionais na carta enviada a Obama seriam realizados.

A carta para o presidente foi recebida ontem em uma remota unidade do correio, disse o serviço secreto. "Esta instalação identifica rotineiramente cartas ou encomendas que exigem uma segunda triagem ou realiza testes científicos antes da entrega", disse a agência.

O caso estava sendo investigado pelo FBI, o Serviço Secreto e a Polícia do Capitólio dos EUA.

Em comunicado, a polícia do Capitólio dos EUA disse que os policiais estão respondendo a um envelope suspeito no terceiro andar do edifício, e os funcionários foram orientados a evitar a área até novo aviso. O prédio abriga escritórios de senadores. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaricinacarta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.