Carta de Ahmadinejad diz que sistema democrático falhou

A carta endereçada ao presidente George W. Bush por seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, faz apenas uma referência ao polêmico programa nuclear do país, mas afirma que a democracia falhou ao redor do mundo. Divulgado nesta terça-feira, o documento lamenta que "qualquer avanço tecnológico ou científico alcançado por países do Oriente Médio é logo transformado e retratado como uma ameaça ao regime sionista".Ainda assim, a carta desaprova a reação de Bush aos atentados de setembro de 2001, acusa a mídia de espalhar mentiras sobre a guerra no Iraque e critica o apoio americano à Israel. Ahmadinejad também questiona se o mundo não seria um lugar diferente caso o dinheiro gasto na guerra do Iraque tivesse sido gastado para combater a pobreza."A sustentação política e econômica do seu governo não seria mais forte?", provoca o presidente iraniano, referindo-se aos gastos dos EUA com suas realizações militares. "E eu sinto dizer, mas haveria esse crescente ódio global contra o governo americano?"Nesta terça-feira, Ahmadinejad classificou sua carta como "palavras e opiniões da nação iraniana" para encontrar "uma maneira de solucionar os problemas" enfrentados pela humanidade, informou a agência de notícias oficial do país.Reação americanaEmbora a carta tenha sido chamada de uma nova abertura diplomática pelos negociadores iranianos, os Estados Unidos responderam à iniciativa com ceticismo. Responsável por endereçar a opinião do governo americano em relação à iniciativa, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse que o documento não aponta caminhos para resolver a disputa sobre o programa nuclear iraniano. O assunto é alvo de intensas negociações no Conselho de Segurança das Nações Unidas."Não há nada que sugira que devamos adotar um caminho diferente daquele que estamos trilhando", ela disse.Embora a carta praticamente não aborde o assunto nuclear, ela vem à tona em um momento em que a comunidade internacional discute que medidas tomar para restringir as ambições nucleares dos iranianos. Tanto a China quanto a Rússia se opõe a adoção de sanções, e a carta poderia fornecer aos dois países argumentos para sustentar seus vetos.Rice, que disse não esperar uma ação rápida quanto às sanções, encontrou-se privativamente com os ministros do Exterior dos outros membros permanentes do Conselho de Segurança - Reino Unido, França, China e Rússia - para discutir a questão. Os ministros concordaram em não discutir aspectos específicos do texto. O objetivo agora é encontrar uma estratégia única para a ação. Segundo o ministro do Exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier, os diplomatas precisarão de mais de "10 a 14 dias" para chegar a uma resolução.Democracia falidaNa carta, Ahmadinejad diz que população mundial não acredita mais nas instituições internacionais. O liberalismo e a democracia ao estilo ocidental "não foram capazes de ajudar a compreender os ideais da humanidade", diz o texto."Hoje, esses dois conceitos falharam. Aqueles com inteligência já podem ouvir os sons da queda da ideologia e do pensamento do sistema democrático-liberal", argumenta.Ahmadinejad também sugere que Bush se olhe no espelho, dizendo que há um ódio crescente contra os EUA em todo o mundo e que a história mostra que "os regimes repressivos e cruéis não sobrevivem"."Por quanto tempo o sangue de inocentes será espalhado nas ruas, e as casas das pessoas destruídas sobre suas cabeças? O senhor está satisfeito com a atual situação do planeta? O senhor acha que as atuais políticas podem continuar?", questiona o presidente. O regime iraniano é conhecido internacionalmente por impor severas restrições aos comportamentos dos civis e direitos das mulheres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.