Carta de jornalista de tabloide revela que grampos eram 'amplamente discutidos'

Clive Goodman já havia sido preso em 2007 por escutas ilegais no 'News of the World'

estadão.com.br

16 de agosto de 2011 | 09h22

Uma carta escrita pelo ex-correspondente do tabloide britânico News of the World, Clive Goodman, promete uma reviravolta no caso dos grampos ilegais realizados pelo jornal, deixando revela que Rupert Murdoch, seu filho James Murdoch e o ex-editor e ex-assessor de Cameron, Andy Coulson, em uma situação embaraçosa, segundo reportagem publicada nesta terça-feira, 16, pelo jornal The Guardian.

 

 

Veja também:

lista Leia a carta de Goodman publicada pelo Guardian (em inglês)

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

 

 

Na carta, escrita há 4 anos atrás e publicada apenas agora, Goodman diz que as escutas telefônicas eram "amplamente discutidas" em reuniões editoriais do jornal até Coulson proibir qualquer referência ao assunto.

 

"Essa prática era amplamente discutida nas conferências editoriais diárias, até que qualquer referência explícita a isso foi proibida pelo editor", diz Goodman na carta.

 

Clive Goodman, que se utilizava de grampos ilegais para obter informações e pelo qual chegou a passar quatro meses na prisão, escreveu a carta ao diretor de recursos humanos da News International, Daniel Cloke, em apelo contra a decisão da companhia de demiti-lo. Segundo a carta, Coulson e o advogado da companhia na época, Tom Crone, disseram que Goodman poderia manter seu trabalho se não implicasse o jornal no escândalo quando ele fosse julgado, em 2007.

 

De acordo com o jornalista, sua demissão foi injusta, já seus grampos telefônicos foram realizados com o "total conhecimento e apoio" de outros jornalistas, nomeados na carta. Suas atividades ilegais, como a contratação de um detetive particular, também teriam sido financiadas por outro jornalista. Os nomes dos jornalistas foram retirados da carta a pedido da Scotland Yard.

 

As novas revelações complicam a vida dos Murdoch, que podem ser chamados novamente para prestar esclarecimentos perante o Parlamento britânico, segundo a Associated Press. O magnata australiano havia dito que acreditava que Andy Coulson não tinha nenhum conhecimento do uso de grampos ilegais e que Goodman era o único jornalista envolvido no caso.

 

A carta está entre um conjunto de documentos que devem ser publicados nesta terça-feira pelo Comitê de Cultura, Mídia e Esportes da Câmara dos Comuns.

 

A polícia investiga atualmente acusações de que o News of the World acessou ilegalmente mensagens de telefone e subornou policiais para obter informações sobre celebridades, políticos e vítimas de crimes. O tabloide, que circulava havia 168 anos, foi fechado no último mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.