Carta revela arrependimento de Kalashnikov

O projetista de armas Mikhail Kalashnikov, criador do fuzil de assalto AK-47, escreveu pouco antes de morrer uma carta de arrependimento endereçada ao patriarca Cirilo, líder da igreja ortodoxa russa.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2014 | 16h34

De acordo com o jornal russo Izvestia, Kalashnikov expressou remorso e revelou que questionava sua responsabilidade nas mortes de milhões pessoas decorrentes de disparos efetuados com armas projetadas por ele.

Alexander Volkov, porta-voz do patriarca Cirilo, revelou que o líder da igreja russa tentou confortar Kalashnikov e disse que ele era um "verdadeiro patriota".

Kalashnikov faleceu no mês passado, aos 94 anos. O teor da carta contradiz declarações feitas por ele no passado, quando afirmou que projeto o AK-47 para proteger seu país e disse que não poderia ser responsabilizado pelas atitudes de outras pessoas.

O trabalho de Kalashnikov para a União Soviética o imortalizou no nome da arma de fogo mais popular do planeta, o fuzil AK-47, usado tanto por exércitos regulares quanto por grupos armados clandestinos e rebeldes em todo o mundo.

O nome AK-47 é uma combinação das iniciais do nome do fuzil, "Avtomat Kalashnikova", e o ano em que a arma começou a ser produzida, 1947.

Inspirada no fuzil de assalto alemão Sturmgewehr 44, a arma popularizou-se por causa de sua manutenção relativamente simples, por sua resistência a condições adversas, como água, areia e lama, e também por seu baixo custo. Estima-se que 100 milhões de fuzis AK-47 estejam em uso em todo o mundo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaKalashnikovarrependimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.