Cartazes promovem candidatura de Escobar - morto em 1993

As autoridades colombianas investigam o surgimento de cartazes nas ruas de Medellín defendendo a candidatura presidencial do ex-chefe do tráfico de drogas Pablo Escobar, morto em 1993. Os cartazes - que têm a imagem do rosto de Escobar, chefe do dissolvido Cartel de Medellín, com a legenda "Pablo, presidente. Soberania e independência" - apareceram na quarta-feira em vários locais da capital do departamento (Estado) de Antioquia, disseram nesta quinta-feira fontes oficiais. "Não sabemos ainda quem os colou nem com que propósitos, e por isso não podemos tirar conclusões apressadas nem especular", disse o secretário do governo da cidade, Alonso Salazar. De acordo com as duas principais linhas de investigação, os cartazes podem ser tanto uma estratégia de propaganda de narcotraficantes contra extradições aos Estados Unidos quanto uma campanha irônica frente as eleições presidenciais de 28 de maio. O secretário acrescentou que foi dada ordem para a retirada dos cartazes porque estes foram colados sem autorização. Escobar, considerado um dos maiores narcotraficantes do mundo, foi morto a tiros pela polícia no dia 2 de dezembro de 1993 no telhado da casa em que se escondia, em um bairro popular de Medellín. O chefe do Cartel de Medellín, que saiu de uma família modesta e foi ladrão de carros, tinha grande popularidade entre os setores pobres de Medellín devido a sua generosidade para com os mais humildes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.