Cartéis mexicanos têm 30 mil 'crianças-soldado'

Os mais jovens atuam como informantes do narcotráfico. Depois dos 12 anos, transportam a droga, vigiam vítimas de sequestro e, com 16 anos, estão prontos para as ações mais violentas, como sequestros e assassinatos. Organizações estimam que até 30 mil jovens foram recrutados pelos cartéis mexicanos.

AE, Agência Estado

18 de julho de 2011 | 07h49

Grande parte tem entre 13 e 17 anos e é recrutada pelos maiores cartéis do país: Los Zetas, Sinaloa e La Família Michoacán. "Muito do que acontece hoje no México corresponde ao cenários de uma guerra. Da mesma forma que se precisa de soldados numa guerra, os cartéis precisam aumentar seus efetivos", disse em entrevista à reportagem o diretor executivo da Rede pelos Direitos da Infância no México, Juan Martín Pérez García.

Os jovens mais vulneráveis, mais pobres e fora do sistema educativo, são mão de obra barata e facilmente descartada - assassinados ou entregues à polícia. "São como os meninos-soldado da África, já que estão na ?primeira linha do fogo? e são os mais sacrificáveis", afirma a antropóloga Rossana Reguillo, da Universidade de Guadalajara.

O recrutamento começa com ameaças às famílias dos jovens. Depois vem a oferta de um salário. "Estudos apontam que em Ciudad Juárez, por exemplo, os adolescentes recebem US$ 1 mil por mês. Eles podem ainda receber pelos assassinatos", conta Pérez. Segundo ele, um trabalhador mexicano ganha em média US$ 5 por oito horas de trabalho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.