Casa Branca acusa Iraque de intimidar cientistas

A Casa Branca acusou o Iraque de estar bloqueando as entrevistas dos cientistas iraquianos com os inspetores de armas da ONU e classificou isso de "inaceitável". Além disso, o porta-voz da Casa Branca Ari Fleischer rejeitou a desculpa apresentada pelos oficiais iraquianos, de que os cientistas de seu país não querem falar com os inspetores de armas da ONU sozinhos, classificando-a como "ridículo". "O presidente (George W.) Bush acredita que a recusa do Iraque em permitir que os cientistas de seu país se submetam a entrevistas privadas com os inspetores da ONU é inaceitável", disse Fleischer. "O Iraque deve permitir e estimular os cientistas a participarem das entrevistas privadas e deve fazer isso sem adiamento e debate", acrescentou o porta-voz. Ele observou que sob os termos da Resolução 1441 da ONU, o Iraque não tem escolha sobre permitir ou não que as entrevistas sejam realizadas.Questionado sobre se a dificuldade que os inspetores de armas têm encontrado em suas tentativas de falar com os cientistas iraquianos constitui uma "quebra material" da Resolução 1441, Fleischer disse que não. Ao contrário, ele disse que isso era parte do padrão atual de falta de cooperação do Iraque. Oficiais iraquianos dizem que os cientistas têm requisitado que um observador oficial os acompanhe sempre que eles falarem com os inspetores da ONU, mas Fleischer rejeitou essa explicação. "Num estado totalitário como o Iraque, isso é ridículo. Não há credibilidade nisso", acrescentou. Fleischer disse mais uma vez que o tempo está acabando para o Iraque, mas também disse que ainda há posssibilidade de a guerra ser evitada. Fleischer disse que não há um prazo para uma ação militar. Contudo, ele também disse que os EUA não querem que o processo de inspeção continue indefinidamente. "Não há dúvida que os EUA qquerem Saddam Hussein desarmado mais cedo do que mais tarde", disse Fleischer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.