Casa Branca apresenta hoje pacote com restrições a armas

Nova lei com limites ao comércio de armamento não viola 2ª emenda da Constituição, enfatiza Obama em entrevista

DENISE CHRISPIM MARIN , CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2013 | 02h08

Na véspera do anúncio das medidas para controlar a vendas de armas, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sublinhou duas vezes ontem que não permitirá iniciativas contrárias à Segunda Emenda da Constituição.

O texto, de 1791, autoriza o cidadão a portar armas para a própria defesa. O pacote será detalhado hoje a Obama pelo vice-presidente, Joe Biden, e anunciado até o fim de semana.

"Meu foco está nas medidas que fazem sentido, que funcionam, que podem nos trazer a certeza de que nossas crianças estão seguras e de que estamos reduzindo a violência armada", afirmou Obama, em entrevista coletiva.

"Podemos fazer isso de forma sensível, conforme os termos da Segunda Emenda. Então, os membros do Congresso terão de debater e de examinar suas consciências", completou.

Biden e uma equipe de assessores da Casa Branca reuniram-se com especialistas, organizações em favor do controle de armas e líderes da Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês) nas últimas duas semanas.

Entre as medidas acertadas estão o controle mais efetivo da ficha corrente dos compradores de armas e a punição mais severa aos que mentirem ou omitirem fatos, como o envolvimento anterior em ações violentas.

A retomada da proibição da venda de armas de assalto, vigente entre 1996 e 2006, deverá ser apoiada pela Casa Branca. Mas dependerá de iniciativa de congressistas comprometidos com essa causa.

Munição sob controle. Obama defendeu o controle também da venda de munições para armas semiautomáticas e automáticas. No entanto, tentou tranquilizar o Congresso e boa parte dos eleitores de origem anglo-saxã sobre o escopo da reforma, mais modesto do que o recomendado pelos defensores de uma restrição mais severa do comércio de armas nos Estados Unidos, como o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg. Conforme acentuou, os usuários de armas para caça e esporte "não precisam ter medo".

Ontem, em Newtown, foi lembrado o primeiro mês do massacre na escola primária Sandy Hooks, quando um atirador matou 20 crianças menores de 6 anos e 6 adultos.

A tragédia motivou o governo Obama a tomar a iniciativa de adotar as novas medidas de prevenção a episódios com esse. No primeiro mandato, de Barack Obama, houve ocorreram cinco massacres de grande repercussão, que deixaram 65 mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.