Casa Branca cria plano de reserva para imigração

A Casa Branca alega que o projeto de proposta para o sistema de imigração que vazou na mídia neste fim de semana era apenas um plano de reserva caso os parlamentares não desenvolvam um projeto de imigração próprio. No entanto, segundo parlamentares republicanos e democratas, o documento do gabinete não será necessário.

AE, Agência Estado

18 de fevereiro de 2013 | 10h49

O chefe da equipe da Casa Branca, Denis McDonough, afirmou no domingo que o presidente Barack Obama quer "estar preparado" caso o pequeno grupo bipartidário de senadores fracasse em criar um plano para cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais nos Estados Unidos. Em resposta, os parlamentares garantiram à Casa Branca que eles estão trabalhando em seu próprio projeto - e avisaram Obama que fracassarão se o gabinete intervir.

A questão da imigração é um dos raros temas que tem uma grande chance de ser aprovada pelo Congresso severamente dividido neste ano. A onda de interesse em abordar o sistema de imigração, cujo esforço para resolvê-lo definhou durante o primeiro mandato de Obama, tem aumentado à medida que o número crescente de eleitores hispânicos do país foi às urnas em peso a favor de Obama na eleição do ano passado. Os republicanos, que já falaram em deportação em outras ocasiões, estão procurando alternativas.

"Nós vamos estar preparados com o nosso próprio plano se estas negociações em curso entre republicanos e democratas no Capitólio fracassarem", disse McDonough, acrescentando que está otimista de que acordo não vai desmoronar.

Mas ele se mostrou igualmente realista sobre o partidarismo feroz no Congresso. "Bem, vamos garantir que ele não tenha de ser proposto", afirmou o chefe da equipe, em referência ao documento relatado pela primeira vez no site do US Today na tarde de sábado.

Mesmo assim, o governo está avançando em sua agenda própria de imigração caso uma das prioridades de Obama saia dos trilhos.

O projeto do presidente Barack Obama cria um visto para os imigrantes ilegais no país e inclui mais recursos para segurança. Além disso, o projeto exige que os proprietários de empresas adotem dentro de quatro anos um sistema para verificar o status de imigração dos novos contratados.

O USA Today também afirmou que o projeto exigirá que os imigrantes passem por uma checagem criminal, apresentem informações biométricas e paguem taxas para se qualificarem para os novos vistos. Os imigrantes que tiverem sido presos por mais de um ano por algum crime ou que tiverem sido condenados por três ou mais crimes e forem sentenciados a um total de 90 dias ou mais de cadeia não serão elegíveis para o visto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAImigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.