REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

Casa Branca defende indicado de Trump à Suprema Corte e chama acusações de 'conspiração da esquerda'

Juiz Kavanaugh é acusado por duas mulheres de agressões sexuais; comissão do Senado vai ouvir uma delas na quinta-feira

O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2018 | 12h01

WASHINGTON - A assessora da Casa Branca Kellyanne Conway disse nesta segunda-feira, 24, que as acusações de assédio sexual feitas por duas mulheres contra o juiz Brett Kavanaugh, indicado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para a Suprema Corte, são uma "vasta conspiração da esquerda".

Em entrevista ao programa "This Morning", do canal CBS, Kellyane repetiu o que Kavanaugh disse, em um comunicado no domingo 23. Segundo o juiz, as alegações são uma "campanha de difamação". Ele acrescentou que o caso começa a parecer uma "vasta conspiração de esquerda".

Os argumentos de Kellyane são semelhantes aos de Hillary Clinton, em 1998, quando seu marido, o então presidente Bill Clinton, era acusado de ter mantido casos extra-conjugais. À época, Hillary chamou as acusações de "vasta conspiração de direita".

Tanto Kavanaugh como Christine Blasey Ford, professora que acusa o juiz, vão testemunhar diante da Comissão de Justiça do Senado americano nesta quinta-feira

No domingo, a revista The New Yorker publicou a acusação de uma segunda mulher, alegando que Kavanaugh teria se exposto nu em sua presença e a forçado a tocar seus genitais, quando ambos estudavam em Yale.

A segunda acusação coloca ainda mais em risco a maior a confirmação do indicado de Trump como juiz da Suprema Corte americana. O caso também força a Casa Branca e os republicanos no Senado a apoiarem os pedidos dos legisladores democratas de adiar a confirmação para o tribunal. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.