Casa Branca descarta retórica norte-coreana

Os Estados Unidos possuem "planos robustos para qualquer contingência" envolvendo a Coréia do Norte, inclusive a possibilidade de uma ação militar, informou a Casa Branca nesta quinta-feira, em meio às críticas dos democratas e às palavras provenientes de Pyongyang.O porta-voz da presidência, Ari Fleischer, disse que "existe uma causa verdadeira de preocupação" sobre as declarações de ontem da Coréia do Norte, segundo a qual ataques preventivos contra suas instalações nucleares desencadeariam uma "guerra total". Ele reiterou que o presidente George W. Bush acredita que o impasse pode ser solucionado pacificamente."Esse tipo de conversa prejudica apenas a Coréia do Norte", garantiu Fleischer. "Esta é a verdadeira causa de preocupação, mas sempre temos planos de contingência."De acordo com ele, "os Estados Unidos estão providos de planos de contingência". Fleischer disse aos jornalistas que se referia especificamente a contingências militares.O impasse nuclear com a Coréia do Norte, que se intensificou no fim do ano passado, complicou os esforços de Bush para reunir a nação e líderes mundiais em seu ímpeto para atacar o Iraque de Saddam Hussein."Não entendo essa falta de senso de urgência", reclamou o senador Joe Biden, um democrata da Comissão de Relações Exteriores do Senado.Tom Daschle, outro líder democrata, foi ainda mais incisivo. "O presidente deveria parar de colocar esta ameaça em segundo plano, começar a prestar mais atenção a ela e engajar os norte-coreanos em conversações diretas."Qualificando a ameaça norte-coreana muito mais grave que a iraquiana, o senador John Kerry acusou o governo de ter uma "política vaga" sobre o tema das armas de destruição em massa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.