Joshua Roberts/Reuters
Joshua Roberts/Reuters

Casa Branca deve rever normas para terceirizados após tiroteio

Resevista que atacou um prédio da Marinha em Washington possuía credencial de acesso ao local

O Estado de S. Paulo,

17 de setembro de 2013 | 17h08

WASHINGTON - A Casa Branca anunciou nesta terça-feira, 17, que vai rever todos os contratos terceirizados do governo federal após o tiroteio ocorrido na véspera, que deixou 12 mortos em um prédio da Marinha em Washington. O atirador, identificado como Aaron Alexis, era um reservista prestador de serviços no local - sua credencial de acesso ao complexo da Marinha continuava válida.

Alexis foi descrito como um homem interessado no budismo, mas com histórico de violência e problemas mentais. Ele foi contratado com credenciais de segurança, apesar de dois incidentes legais relacionados a armas e uma dispensa da reserva da Marina em 2011, por questões de mau comportamento.

O presidente Barack Obama irá receber as informações detalhadas sobre o tiroteio nesta quarta-feira, em reunião com seus assessores de segurança, incluindo o procurador-geral Eric Holder e o diretor do FBI, James Comey.

"O Escritório de Administração e Orçamento está analisando os padrões de contratação para funcionários integrais e terceirizados em todas as agências federais, segundo a direção do presidente Obama", afirmou Jay Carney, porta-voz da Casa Branca./ REUTERS

 
Mais conteúdo sobre:
EUAAaron AlexisMarinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.