Casa Branca e republicanos estão perto de acordo

A Casa Branca e os líderes congressistas do Partido Republicano tiveram avanços significativos no sentido de um acordo para elevar o limite do endividamento dos Estados Unidos e evitar um possível calote, de acordo com autoridades familiarizadas com as discussões e que pediram para não serem identificadas. Sob o plano negociado na noite de ontem, o limite da dívida do país subiria em cerca de US$ 2,4 trilhões e os gastos públicos seriam reduzidos ainda mais, segundo as fontes.

AE, Agência Estado

31 de julho de 2011 | 08h20

O primeiro estágio do acordo - cerca de US$ 1 trilhão - teria validade imediata e um segundo passo ocorreria ainda neste ano. O acordo seria apresentado para votação no Congresso, como uma emenda orçamentária equilibrada para a Constituição, mas a elevação do teto da dívida não dependeria de sua aprovação.

O presidente Barack Obama vem pleiteando a aprovação de uma lei que permita ao governo elevar a dívida do governo, de US$ 14,3 trilhões, o suficiente para manter o Tesouro norte-americano até depois das eleições de 2012. Ele ameaçou vetar qualquer legislação que permita um retorno da crise atual no ano que vem, mas concordou com exigências do Partido Republicano a respeito dos cortes de gastos - sem aumento de impostos -, em troca de mais autoridade nos empréstimos do país.

Sem um acordo até a próxima terça-feira, autoridades da administração do governo dizem que o Tesouro vai ficar sem recursos para pagar todas as despesas do país. O calote se mostraria catastrófico para a economia dos Estados Unidos, causando elevação da taxa de juros e perdas nos mercados financeiros que se refletiriam em todo o mundo, dizem as autoridades. Com os mercados financeiros fechados neste fim de semana, os legisladores têm algum tempo para respirar com calma, mas não muito. Os mercados asiáticos já estarão abertos na tarde de hoje.

"Há muito pouco tempo", disse Obama ontem, em seu programa semanal no rádio e na internet, referindo-se ao prazo final de 2 de agosto para que a questão seja solucionada e os Estados Unidos evitem o calote de sua dívida. Ele pediu um fim no jogo político dizendo que "a hora de um compromisso em nome do povo norte-americano é agora".

Uma autoridade afirmou na noite de ontem que os dois lados estão fechados com a linha geral das novas negociações, mas ponderou que há muitos detalhes a serem discutidos e não garantiu que haverá um acordo final.

Na noite de ontem, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, dominada pelo Partido Republicano, rejeitou, em votação simbólica, o plano do Partido Democrata para elevar o limite legal de endividamento. O Senado, controlado pelo Partido Democrata, havia reprovado um plano dos republicanos na noite de sexta-feira, persistindo o impasse político que poderá levar à declaração de moratória da maior economia do mundo.

A bancada republicana na Câmara colocou em votação ontem uma versão do projeto do líder da maioria (democrata) no Senado, Harry Reid, que eleva o teto da dívida em US$ 2,2 trilhões, o que seria suficiente para permitir ao governo funcionar até 2013, e corta os gastos públicos em US$ 2,2 trilhões nos próximos dez anos. Os republicanos usaram, porém, uma manobra de procedimentos pela qual seriam necessários dois terços dos votos para que esse projeto fosse aprovado. Foram 173 votos a favor e 246 contra. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
OrçamentodívidaEUAObamarepublicanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.