Casa Branca faz simulação de ataque com varíola

Representantes do Governo dos EUA iniciaram neste sábado no complexo da Casa Branca uma simulação de um ataque com varíola contra os Estados Unidos. O ensaio, que se prolongou durante quatro horas no Edifício Executivo Eisenhower, tinha como objetivo determinar a efetividade das respostas do Governo a um possível ataque biológico deste tipo. Na simulação intervieram, entre outros, o secretário de Saúde, Mike Leavitt, o secretário de Agricultura, Mike Johanns, e a diretora do Centro para o Controle de Doenças, Julie Gerberding. O presidente George W. Bush não participou porque se encontra este fim de semana na residência de férias de Camp David, em Maryland. Trata-se da segunda simulação nos últimos três meses para comprovar a resposta do Governo a um possível ataque com armas químicas ou biológicas, ou a uma epidemia global. A simulação anterior, em dezembro, para avaliar a resposta perante uma possível pandemia de gripe aviária, demonstrou, segundo o Governo dos EUA, que é necessário um maior planejamento em nível local e um aumento da produção de remédios e vacinas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou erradicada a varíola em 1980, mas existem ainda cepas causadoras do vírus em alguns laboratórios do mundo e as autoridades temem que grupos terroristas pudessem ter acesso a esse agente e utilizá-lo como arma biológica.

Agencia Estado,

18 Março 2006 | 21h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.