REUTERS/Gonzalo Fuentes
REUTERS/Gonzalo Fuentes

Casa Branca indica que Trump deve aceitar sanções à Rússia

Democratas e Republicanos negociam lei no Congresso para punir o Kremlin e dificultar veto do presidente

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2017 | 20h01

WASHINGTON - A Casa Branca sugeriu neste domingo, 23, que o presidente Donald Trump acatará uma nova lei que estabelece sanções contra a Rússia e não usará seus poderes para vetar a legislação, numa reviravolta surpreendente depois de uma revolta geral no Congresso por parlamentares dos dois partidos que desconfiam da sua aproximação com Moscou e desejam coibi-lo.

Líderes do Congresso declararam no sábado ter chegado a um acordo sobre uma nova lei punindo a Rússia por sua interferência na eleição presidencial do ano passado e suas agressões contra países vizinhos, apesar das objeções levantadas pelo governo Trump, que afirma que a medida viola os poderes do presidente de comandar a política externa do país. 

A nova secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, afirmou que algumas retificações no projeto de lei bastarão para pôr fim às inquietações do presidente. 

“O governo concorda que é preciso ser duro com a Rússia, e especialmente implementar essas sanções”, declarou à rede ABC. “O projeto original foi mal escrito, mas vamos trabalhar com a Câmara e o Senado e fazer as mudanças necessárias, dando nosso apoio à nova lei”.

Mas parece reinar alguma confusão entre os assessores do presidente. Anthony Scaramucci, o novo diretor de comunicações da Casa Branca, disse em outro programa que o presidente não decidiu ainda se aprova a medida. “É preciso perguntar ao presidente Trump’, afirmou ele à CNN. “Esse é meu segundo ou terceiro dia no cargo. Acho que ele logo formalizará sua decisão. Ele não se decidiu ainda a respeito”.

Sua explicação talvez apenas indique que Scaramucci ainda não está totalmente enfronhado nos assuntos que envolvem sua nova função, como ele próprio sugeriu. Funcionários da Casa Branca afirmaram em particular não ver nenhuma alternativa politicamente viável para o presidente senão assinar a lei.

Na realidade, apesar de as mudanças tornarem a medida mais palatável para a Casa Branca, elas seriam principalmente uma maneira de salvar as aparências, com Trump recuando de um confronto em que seguramente será vencido quando o projeto for debatido na Câmara. O Senado aprovou a versão original da lei por 97 votos contra dois e republicanos e democratas esperam que a medida seja aprovada por maioria na Câmara.

Além de poder ser anulado pelo Congresso, a Casa Branca admite que o veto seria politicamente desastroso para Trump. A posição do presidente agora é insustentável em virtude das investigações sobre conluio da sua equipe com a Rússia durante a eleição.

Membros do governo afirmam que Trump corroborou todas as sanções impostas à Rússia nos últimos três anos, e observam que ele nada fez nos primeiros meses de governo para suspender as sanções. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.