Casa Branca não dará informações sobre reuniões com Enron

A Casa Branca não entregará ao Congresso os documentos relativos às reuniões mantidas com dirigentes da Enron na época da elaboração da política energética, afirmou ontem o vice-presidente Richard Cheney, dos Estados Unidos. "Não há segredos no que fizemos com o grupo de trabalho sobre a energia," sustentou Cheney, durante entrevista concecida à cadeia de TV Fox.Cheney recebeu do presidente George W. Bush a incumbência de preparar a política energética, que foi apresentada no segundo trimestre de 2001. Na ocasião, o presidente manteve reuniões com autoridades da empresa Enron, grupo de distribuição de energia acusado de malversações financeiras. "Aquilo a que me oponho, e a que o presidente também se opôs, é fazer alguma coisa que no futuro possa tornar impossível para este ou outro vice-presidente dos Estados Unidos, manter uma conversa particulr com alguém sem ter de explicar, imediatamente aos parlamentares sobre o que falamos." "O presidente e eu já dissemos ao Escritório Geral de Contabilidade (órgão controlador do Congresso) que não faríamos isso," acrescentou Cheney. David Walker, diretor do Escritório Geral de Contabilidade - uma espécie de Tribunal de Contas - vem pedindo, há meses, acesso aos documentos que serviram para a preparação do programa energético, mas a Casa Branca se recusa a atendê-lo. Falando à imprensa no sábado, Walker ameaçou recorrer à justiça se não obtiver acesso aos documentos de outra forma. Suicídio - No Texas, médicos confirmaram, ontem, que a morte do ex-vice-presidente da Enron Corp. foi por suicídio, mediante um disparo de arma de fogo, segundo informou a cadeia de notícias CNN. Na sexta-feira a polícia encontrou o cadáver de John Clifford Baxter, de 43 anos, em seu automóvel, na pequena cidade de Sugarland, Texas. No veículo havia uma nota e papéis de identificação que indicavam que o morto trabalhara para a Enron, empresa que é alvo de investigações em virtude de sua falência. Representantes do Congresso americano haviam mantido negociações com advogados de Baxter, para convencer o ex-vice-presidente da Enron a prestar depoimento perante as comissões legislativas formadas para investigar o colapso da empresa. Depois de deixar seu cargo Baxter continuou vinvulado à Enron como assessor. O executivo havia renunciado ao cargo em 2 de maio, depois de manifestar sua preocupação com as manipulações contábeis e as alianças "inapropriadas"da empresa.

Agencia Estado,

27 Janeiro 2002 | 16h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.