Casa Branca nega debate sobre retirada de tropas do Iraque

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, não tem planos para uma retirada gradual das tropas americanas no Iraque, apesar da crescente pressão feita por integrantes de seu próprio partido, afirmou na segunda-feira a Casa Branca. Em reportagem publicada nesta segunda-feira, 9, o diário americano The New York Times informa que se intensificava, dentro da Casa Branca, o debate sobre se Bush deveria evitar perder mais apoio dentro do Partido Republicano anunciando intenção de retirar gradualmente os soldados de áreas iraquianas onde há muitas baixas. "Neste momento, não há nenhum debate sobre a retirada das forças do Iraque", afirmou Tony Snow, porta-voz da Casa Branca. Segundo o Times, autoridades temem o desmoronamento dos últimos pilares de apoio com que conta a estratégia de Bush entre os senadores republicanos. "O presidente já disse por várias vezes que, quando a situação o exigir, haverá, em verdade, retiradas e também uma desocupação de áreas de Bagdá e assim por diante", afirmou Snow. "Mas a idéia de tentar fazer um julgamento político ao invés de um julgamento militar sobre manter ou não os soldados no campo de batalha é algo simplesmente inverídico", disse. O governo elabora um relatório provisório a ser enviado ao Congresso até domingo sobre a estratégia de Bush pela qual ele enviou um contingente adicional de milhares de soldados para o Iraque. Mudança de estratégia Esse documento ganha importância cada vez maior à medida que um número crescente de congressistas republicanos e democratas (oposição) pressiona o governo, defendendo mudanças na estratégia relativa a uma guerra bastante impopular. Bryan Whitman, porta-voz do Pentágono, também tentou aplacar a expectativa a respeito do documento, afirmando que, apenas recentemente, o general David Petraeus, comandante das tropas americanas no Iraque, havia obtido a força total de que precisava para realizar operações de segurança naquele país. "Não acredito que haja uma pessoa capaz de defender que todas as metas e objetivos serão atingidos no começo das operações", disse. Os índices de aprovação de Bush encontram-se nos níveis mais baixos, em parte devido à guerra. Casa Branca também tenta aplacar as expectativas em relação ao relatório de 15 de setembro, no qual Petraeus e o embaixador dos EUA no Iraque, Ryan Crocker, deverão apresentar uma avaliação sobre a situação do Iraque e as operações norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.