Casa Branca perdeu e-mails sobre caso de procuradores

Apesar de uma intimação da Comissão de Justiça do Senado, o Departamento de Justiça dos EUA não enviou ao Congresso os e-mails sobre a demissão de oito procuradores federais, em 2006.Na quinta-feira, 12, a Casa Branca disse que ?talvez eles tenham sido perdidos?. ?Erramos, mas estamos tentando recuperar as mensagens?, disse a porta-voz Dana Perino.Perino afirmou que estas mensagens não correspondem a contas ordinárias de e-mail da Casa Branca, mas a endereços do Partido Republicano que alguns funcionários presidenciais usam para assuntos políticos. A lei americana obriga os funcionários da Casa Branca a não usarem propriedades federais em assuntos partidários.O presidente do Comitê Judicial do Senado, o democrata Patrick Leahy, expressou seu ceticismo diante das explicações da Casa Branca.?E-mails não podem ser simplesmente apagados dos computadores?, disse o senador democrata.O Departamento de Justiça chegou a enviar 3 mil páginas com e-mails de funcionários do governo, mas havia uma lacuna de 16 dias em que não havia troca de mensagens.Os democratas acreditam que os e-mails omitidos podem incriminar Alberto Gonzales, secretário de Justiça, e Karl Rove, conselheiro de Bush.O escândaloSegundo membros do Partido Democrata (oposição), as demissões de oito procuradores anunciadas em dezembro passado tiveram motivações políticas. De acordo com alguns dos demitidos, legisladores republicanos vinham pressionando para que eles apressassem investigações sobre a suposta participação de democratas na realização de votações fraudulentas. Em reportagem publicada no dia 13 de março deste ano, o jornal americano New York Times afirmou que a Casa Branca esteve profundamente envolvida na decisão que resultou na demissão dos procuradores.Após a revelação, a administração admitiu que Bush manteve conversas com Gonzales com o objetivo de passar adiante as reivindicações de legisladores republicanos que estariam preocupados porque alguns procuradores não se pronunciaram contra as supostas fraudes promovidas por democratas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.